Bolsas

Câmbio

Valeant corta equipe de vendas de pílula da libido, dizem fontes

Cynthia Koons

(Bloomberg) -- A Valeant Pharmaceuticals International eliminou a equipe de vendas da pílula da libido feminina que a empresa adquiriu no ano passado por US$ 1 bilhão, disseram pessoas com conhecimento da situação. O medicamento, o Addyi, não conseguiu ganhar força em seus primeiros seis meses no mercado.

A Valeant planeja relançar seu esforço de vendas para o Addyi com uma equipe interna que montará nos próximos meses, segundo as pessoas, que pediram anonimato porque o assunto era privado. O medicamento ainda estará disponível nesse intervalo.

Juntamente com os 140 trabalhadores contratados que compõem a equipe de vendas do Addyi, a Valeant está demitindo também cerca de 140 funcionários de suas divisões de dermatologia, gastrointestinal e saúde da mulher, sendo que dermatologia sofreu o maior impacto, segundo uma das pessoas. A Valeant tem cerca de 22.000 funcionários.

"Embora a antiga equipe tenha feito um ótimo trabalho conseguindo aprovação regulatória para o Addyi, e apesar dos nossos melhores esforços em relação à comercialização, as vendas do Addyi ainda não atingiram as nossas expectativas", disse o CEO Mike Pearson, que está de saída, em um memorando aos funcionários obtido pela Bloomberg, cuja autenticidade foi confirmada por uma porta-voz da Valeant.

Pearson disse que a divisão de dermatologia seria reduzida porque a empresa "recebeu vários retornos de médicos dizendo que temos muitas pessoas telefonando para eles para falar sobre produtos estreitamente relacionados".

Declínio da Valeant

Laurie Little, porta-voz da Valeant, preferiu não comentar as mudanças. No memorando, Pearson disse que os executivos da empresa "estão intensamente focados no acesso e avançando com melhorias e aprimoramentos para os nossos planos de vendas e de marketing" para o Addyi.

As ações da Valeant caíram 90 por cento desde o pico de agosto depois que a empresa foi questionada pelos preços de seus medicamentos, criticada por candidatos presidenciais, investigada pelo Congresso e teve que cortar laços com uma farmácia especializada em entregas pelo correio que, segundo os críticos, estava sendo usada pelo laboratório para inflar os números de vendas. Pearson deixa o cargo de CEO depois que a empresa reportou resultados fracos no quarto trimestre e informou que corrigiria alguns resultados de lucros. Além disso, na segunda-feira a empresa enfrentava resistência de parte dos credores em um momento em que busca adiar um calote e flexibilizar as restrições sobre sua dívida, segundo pessoas informadas sobre o assunto. As ações caíram 7,1 por cento, para US$ 26,11, na segunda-feira, em Nova York.

Os cortes na equipe de vendas do Addyi surgem após um início lento do medicamento, que é o primeiro do tipo para mulheres que sofrem de baixa libido. Os planos de saúde vêm negando ou limitando a cobertura à pílula e muitas prescrições preparadas pelos médicos não estão sendo utilizadas.

Investidores da Sprout

A Valeant também está enfrentando exigências de um grupo de investidores da empresa controladora original do Addyi, a Sprout Pharmaceuticals. No mês passado, os investidores enviaram uma carta à Valeant dizendo que a farmacêutica não havia conseguido comercializar o tratamento com sucesso porque fixou um preço alto demais e deixou de fazer propaganda dele, colocando a fabricante sob risco de violar o acordo de fusão. Eles também pediram garantias de que a Valeant manteria uma equipe de vendas de 150 pessoas para distribuir o Addyi.

No memorando de Pearson, ele não especificou quantos profissionais de vendas seriam usados para vender o Addyi.

Quanto à divisão gastrointestinal, Pearson disse que diversas partes da equipe de vendas seriam integradas devido ao foco maior da empresa na comercialização do Xifaxan para encefalopatia hepática. O medicamento também está aprovado para a síndrome do cólon irritável com diarreia.

"Esperamos que haja novas oportunidades para que alguns dos afetados assumam diferentes cargos dentro da empresa", disse Pearson em sua nota.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos