Bank of China permite queda do índice de cobertura abaixo do exigido

Alfred Liu

(Bloomberg) -- O Bank of China permitiu que sua cobertura contra empréstimos inadimplentes ficasse abaixo do mínimo exigido por lei pela primeira vez. A situação coincide com a análise da redução do limite pelo governo, motivada pelo aumento dos calotes.

O banco reportou um índice de cobertura de 149,1% para os créditos inadimplentes existentes no final de março na declaração de lucros do primeiro trimestre, nesta terça-feira. O mínimo exigido por lei, aplicado em 2009, é de 150%.

A Comissão Reguladora Bancária da China (CBRC, na sigla em inglês) alertou que os executivos bancários poderiam perder seus empregos se não conseguirem controlar os riscos avaliados por indicadores como os índices de cobertura para empréstimos inadimplentes.

Ao mesmo tempo, as autoridades vêm estudando a redução da exigência de 150% como uma medida anticíclica.

Uma redução no índice para cerca de 120% a 130% seria "razoável" e "possível", disse Wang Hongzhang, presidente do conselho do China Construction Bank, na segunda-feira. O órgão regulador "poderá aplicar índices diferentes para bancos diferentes", segundo ele.

O lucro líquido do Bank of China subiu 1,7%, para 46,6 bilhões de yuans (US$ 7,2 bilhões), no período de três meses que terminou em 31 de março em relação ao ano anterior, disse o banco à bolsa de valores de Hong Kong.

Alternativas difíceis

"Alguns grandes bancos provavelmente estão divididos quanto a se devem violar o limite de 150 por cento ou divulgar uma queda nos lucros", disse Richard Cao, analista da Guotai Junan Securities em Shenzhen, antes da divulgação dos lucros.

"No primeiro trimestre, eles ainda conseguem manobrar um pouco cortando custos aqui e ali e, assim, terminar com um crescimento zero nos lucros e ainda manter o índice de cobertura mínimo para os empréstimos inadimplentes -- mas para o ano completo ninguém consegue ambas as alternativas".

Após produzirem pequenos ganhos nos lucros em 2015 --o Bank of China registrou um aumento de menos de 1%--, os maiores bancos da China poderão divulgar quedas no ano de 2016, segundo estimativas dos analistas.

Os empréstimos inadimplentes do Bank of China aumentaram 4% em relação ao início do ano, para 135,8 bilhões de yuans, respondendo por 1,43% de volume de crédito no final de março, mostrou o comunicado.

Com os empréstimos inadimplentes dos bancos chineses na maior alta em quase 10 anos, o governo poderá permitir que os bancos emitam títulos respaldados por créditos inadimplentes. Além disso, criou planos para que os bancos convertam créditos inadimplentes em participações acionárias em empresas devedoras.

A receita líquida de juros do Bank of China caiu 1,8% em relação ao ano anterior, para 79,5 bilhões de yuans, depois que sua margem de juros líquida caiu 25 pontos-base, para 1,97%. Seu lucro líquido com tarifas aumentou 5,6%, para 25,7 bilhões de yuans.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos