Conselho da Petrobras pode ser alterado em possível gestão Temer

Sabrina Valle

(Bloomberg) -- A Petrobras elegeu na quinta-feira (29), numa votação sem surpresas que aprovou nomes já esperados, seu novo conselho de administração. Mas os mandatos, agora de dois anos, não retiram incertezas sobre a administração da estatal em meio à batalha da presidente Dilma Rousseff contra o impeachment.

Em caso de mudança de governo, nada impede que o controlador, a União, convoque uma assembleia para indicar seus novos representantes, esclareceu Francisco da Costa e Silva, ex-presidente da CVM (Comissão de Valores Mobiliários), órgão regulador do mercado financeiro. Ele presidiu a assembleia de acionistas realizada na quinta-feira, no Rio de Janeiro.

Na ocasião, os acionistas reelegeram o presidente do conselho de administração, Luiz Nelson Guedes de Carvalho, e nomearam outros nove integrantes do conselho --a maioria vinda de universidades, escritórios de direito ou do mercado de capitais. Até 2014, havia forte presença de ministros e até de um general no conselho.

Além dos sete da União, foram reeleitos os dois representantes de acionistas minoritários e confirmada a representante dos funcionários da Petrobras no conselho. 

Embora tenha hoje composição mais técnica, ainda há nomes associados à Dilma. 

O presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, que fez carreira no Banco do Brasil e não possuía experiência no setor de petróleo, foi escolhido pessoalmente para o cargo pela presidente. Além de presidente, Bendine também tem assento no conselho de administração, que foi renovado na quinta-feira por dois anos.

O presidente do BNDES, Luciano Coutinho, à frente do banco de desenvolvimento nos mandatos de Dilma e de Luiz Inácio Lula da Silva, também teve seu mandato no conselho renovado.

A perspectiva de remoção de Dilma da presidência da República transformou a Petrobras na ação de melhor desempenho entre as principais do setor de petróleo, com um retorno de 53%, segundo dados compilados pela agência de notícias Bloomberg.

Se o Senado votar o impeachment de Dilma, ela será substituída pelo vice-presidente Michel Temer, em quem os investidores depositam a expectativa de uma postura menos nacionalista e mais pró-mercado no setor de petróleo.

No Brasil, os diretores das empresas e dos bancos estatais normalmente são indicados pelo presidente da República ou por seus aliados no governo.

Temer tem se ocupado da formação do gabinete enquanto o Senado se prepara para a votação do impeachment. Enquanto nomes de candidatos para os principais ministérios, incluindo o da Fazenda, circulam na imprensa, há pouca especulação sobre substitutos para Bendine.

Consultados, investidores, funcionários e membros de conselho presentes na assembleia ordinária tampouco arriscavam nomes para uma possível sucessão e apostavam que uma possível mudança poderia não ser imediata.

Temer provavelmente tentará realizar reformas para abrir o setor a uma concorrência maior de outras petroleiras, disse Adriano Pires, presidente da CBIE, consultoria do Rio de Janeiro especializada no mercado de energia, em entrevista por telefone.

"O presidente da Petrobras tem sido historicamente nomeado pelo presidente da República", disse Pires. "A permanência da diretoria é difícil --eles representam um governo diferente".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos