Bolsas

Câmbio

Estatal do Japão faz 1ª venda de dívida com taxa de retorno negativa

Chikako Mogi e Takako Taniguchi

(Bloomberg) -- O Goldman Sachs foi o principal administrador da primeira venda de papéis com yields negativos de uma instituição japonesa, em meio à demanda crescente de investidores estrangeiros que conseguem lucrar com swaps de moedas.

A empresa estatal Deposit Insurance Corp. of Japan emitiu 120 bilhões de ienes (US$ 1,1 bilhão) em notas com vencimento em dois anos e um yield real de -0,124 por cento e 100 bilhões de ienes em dívida com vencimento em quatro anos a -0,084 por cento neste mês. Os yields negativos não são um desincentivo para os investidores estrangeiros: utilizando swaps cruzados de moedas, os detentores de dívida japonesa com vencimento em dois anos que usam dólares conseguem obter um yield 78 pontos-base mais alto do que títulos do Tesouro dos EUA com vencimento similar, segundo cálculos da Bloomberg.

"Isto parece mirar investidores estrangeiros", disse Naoya Oshikubo, estrategista de taxas do Barclays em Tóquio. "Considerando os vencimentos em dois e quatro anos e o papel do Goldman como principal administrador, pode-se presumir que a demanda dos investidores estrangeiros provavelmente é o maior motivo para essa emissão".

Compradores líquidos

Os investidores japoneses têm tido que colocar seu dinheiro em ativos cada vez mais arriscados para obter retornos com mais de 70 por cento das notas soberanas locais que rendem menos de zero, ao passo que estrangeiros têm conseguido usar contratos de swap para lucrar mesmo com notas com yields negativos. Os investidores externos foram compradores líquidos de dívida japonesa durante sete semanas consecutivas até o dia 13 de maio, segundo dados do Ministério das Finanças.

Hiroko Matsumoto, porta-voz do Goldman Sachs em Tóquio, não quis comentar.

Estrangeiros possuíam 10,6 por cento dos papéis do governo e dos títulos do Tesouro do Japão no último trimestre de 2015, um recorde, segundo dados do Banco do Japão. Os investidores externos eram donos de 48,9 por cento das notas do Tesouro com vencimento em menos de um ano no final do ano passado, fato que sugere que eles colocaram seu dinheiro principalmente na dívida com vencimentos mais próximos, mostram dados do Ministério das Finanças.

O papel do Goldman também sugere que as empresas estrangeiras estão tentando atrair a demanda japonesa em meio à redução das oportunidades de investimento, disse Nana Otsuki, analista-chefe da Monex Group, uma empresa de valores on-line com sede em Tóquio. Os yields para a dívida da DIC não são tão negativos quanto as notas soberanas equivalentes e a possibilidade de que os preços da dívida despenquem é baixa considerando que o Banco do Japão provavelmente manterá sua política flexibilizada durante algum tempo, disse ela.

Os yields sobre as notas de instituições estatais provavelmente têm uma margem limitada para cair, diferentemente dos papéis soberanos japoneses, que são impulsionados pelas expectativas de que o banco central os compre a preços mais altos nas operações do mercado na chamada "BOJ trade", disse Oshikubo do Barclays.

"Taxas mais baixas que a de -0,1 por cento estabelecidas pela política do BOJ para os títulos do governo japonês com os vencimentos mais próximos se justificam somente pela 'BOJ trade'", disse ele. "Há muito pouca demanda por bonds do governo, portanto é improvável que a operação negativa ganhe impulso".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos