Bolsas

Câmbio

Análise: Mercado trata gastos de Temer e Dilma com 2 pesos e 2 medidas?

Josué Leonel

  • Ueslei Marcelino/Reuters

(Bloomberg) -- O destaque dado pelos jornais a supostas "bondades" de Michel Temer, que incluem um aumento acima da inflação para o Bolsa Família e aparentemente vão contra a promessa de rigor fiscal do presidente interino, não parece assustar os investidores.

Pelo contrário, o dólar, tradicional termômetro do sentimento do mercado em relação à saúde financeira do país, segue caindo e é negociado a R$ 3,20.

Para alguns analistas e operadores de mercado, os gastos são perdoados porque o deficit agora seria o preço a pagar por reformas que possam gerar uma melhora fiscal mais consistente no longo prazo.

Temer precisa ser realista neste momento, autorizando despesas quando necessárias para não criar atritos, em troca de apoio para as reformas. Não seria prudente contrariar o Congresso enquanto o impeachment aguarda decisão final do Senado.

Não se pode dizer que o mercado trata Temer e a presidente afastada Dilma Rousseff, muito criticada pelos analistas por supostamente ser permissiva na área fiscal, com dois pesos e duas medidas, diz Christopher Garman, do Eurasia Group em Nova York.

A diferença é que, embora no governo Dilma também houvesse um programa de reformas, a presidente não mostrava ter convicção sobre as mudanças e nem mesmo força política para aprová-las. Com Temer, há melhores condições para aprovar as reformas, diz o consultor.

Banco Central

A credibilidade do novo presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, também ajuda o mercado a relevar o noticiário negativo sobre as contas públicas no curto prazo. Se o Conselho Monetário Nacional realmente reduzir a meta de inflação de 2018 para entre 4% e 4,25%, como alguns jornais têm noticiado, a taxa Selic pode demorar mais a cair, mas isso teria um efeito positivo sobre o cenário de médio e longo prazo.

Como parte de apresentação intitulada "Sob a luz do sol --Uma agenda para o Brasil", e encontrada no website do Insper, Ilan defendeu em 2014 que o BC buscasse, primeiro, a covergência da inflação para o centro da meta de 4,5% e, nos anos seguintes, uma redução gradual da meta até atingir 3%, buscando alcançar um padrão internacional de inflação.

Uma meta de inflação menor ajudaria o país a contar não apenas com inflação mais baixa, mas também com juros menores no longo prazo, favorecendo a retomada do crescimento, diz o economista Andre Muller, da AZ Quest Investimentos. O maior rigor contra a inflação agradaria o investidor, assim como abordagem do governo mais focada em reformas estruturais do que em medidas fiscais de curto prazo, diz Muller.

Garman observa que, como o ajuste fiscal estrutural deve demorar, o BC pode estar se preparando para adotar uma "ancora monetária" mais sólida. Uma eventual mudança da meta poderia fazer parte deste propósito. O consultor considera que Temer deve aprovar as reformas, mas de maneira "diluída", com o teto para gastos podendo passar após a aprovação do impeachment e a reforma da Previdência só devendo ser aprovada totalmente a partir de 2017. "O esforço fiscal deverá envolver mais de um governo".

Receba notícias do UOL Economia pelo WhatsApp

Quer receber notícias no seu celular sem pagar nada? Primeiro, adicione este número à agenda do seu telefone: +55 (11) 96492-6379 (não esqueça do "+55"). Depois, envie uma mensagem para este número por WhatsApp, escrevendo só: grana10.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos