Bolsas

Câmbio

Robô assessor é ameaça a gestão de patrimônio,diz Morgan Stanley

Julie Verhage

(Bloomberg) -- Os robôs assessores não desaparecerão tão cedo e o setor de gestão de patrimônio precisa realizar algumas mudanças se quiser superar os robôs e uma série de outras ameaças que está enfrentando.

É o que diz uma nova nota do Morgan Stanley, um dos maiores gestores de patrimônio de Wall Street, com mais de US$ 2 trilhões em ativos sob administração. O relatório, divulgado por Michael Cyprys, analista de ações da empresa, diz que a adaptação ao novo ambiente é fundamental.

"[A] ameaça crescente dos dispositivos robóticos obriga o papel de assessor financeiro a evoluir: foco maior no planejamento financeiro, adoção de ferramentas digitais como robôs como forma de aumentar a eficiência, parceria entre seres humanos e máquinas", escreveu ele.

"As capacidades digitais estão ganhando cada vez mais importância porque a geração Y tem mais conhecimento digital do que as gerações anteriores, o que está transformando o panorama da gestão de investimentos e de patrimônio; novas estreantes inovadoras, como as assessorias que utilizam robôs, podem roubar participação".

A nota ressalta que uma pesquisa recente apontou que mais de 50% dos integrantes das gerações X e Y disseram que estariam abertos ao uso de assessoria robótica.

As comissões baixas e a abordagem de investimento em piloto automático atraíram cerca de US$ 50 bilhões em ativos para o amplo universo dos robôs assessores, segundo a empresa de pesquisas Aite Group.

Esta ainda é uma quantidade relativamente pequena, considerando que existem mais de US$ 130 trilhões em ativos atualmente sob gestão em todo o mundo, mas Cyprys diz que os robôs assessores "têm um longo caminho de crescimento".

Esta não é a única ameaça enfrentada pelo setor, diz ele, acrescentando que há outras quatro áreas preocupantes:

Juros e crescimento baixos: como o ambiente macro responde por uma fatia maior do desempenho das ações do que a norma histórica, superar as referências ficou mais difícil para os gerentes ativos.

Entradas de recursos em gestão passiva: em cima do primeiro ponto, a gestão passiva e os ETFs (fundos negociados em bolsa) têm visto enormes entradas de recursos desde a crise financeira, o que significa que os gestores estão recebendo uma fatia menor da torta de riquezas do que no passado.

Regulação: regras mais rígidas para a oferta de conselhos de investimento são outro fator positivo para as alternativas passivas e uma força contrária para os gestores ativos.

Demografia: como mencionado antes, as novas gerações são mais abertas a outras formas de assessoria financeira, o que significa que os gestores de patrimônio tradicionais terão que mudar para ganhar sua confiança e o acesso à sua riqueza crescente.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos