Bolsas

Câmbio

Bancos não têm pressa em transferir funcionários do Reino Unido

Gavin Finch

(Bloomberg) -- Os presidentes de bancos, de Stuart Gulliver do HSBC Holdings a Tidjane Thiam do Credit Suisse Group, dizem que ainda não estão prontos para abandonar o Reino Unido.

A principal preocupação é se o Reino Unido conservará seu direito de vender serviços financeiros livremente na União Europeia a partir de Londres -- o chamado passaporte -- e provavelmente isso só será definido em 2018 ou depois. Embora muitos executivos do setor bancário tenham alertado quanto a grandes transições antes da votação do Brexit, agora eles adotaram um tom mais paciente.

"Não há uma necessidade urgente de decidir antes de ver como o governo do Reino Unido negocia", disse Gulliver em uma entrevista na quarta-feira. "Temos bastante tempo para ver como isso vai se desenrolar".

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, disse que lutará para que o distrito financeiro de Londres conserve seus direitos de passaporte, mas ela enfrentará uma batalha árdua ao tentar obter concessões dos parceiros da UE que ainda sofrem com o resultado da votação de 23 de junho. Antes do referendo, Gulliver disse que iria transferir 1.000 funcionários para a França depois do Brexit, e Jamie Dimon, CEO do JPMorgan Chase & Co., disse que até 4.000 funcionários seriam realocados para o continente. Os líderes do setor financeiro não acrescentaram nada a esses números em comentários recentes.

"Estamos muito contentes por estar no Reino Unido, estamos lá há muito" tempo, disse o diretor financeiro do BNP Paribas, Lars Machenil, em entrevista à Bloomberg TV com Caroline Connan em 28 de julho. "Continuamos lá para atender a nossos clientes".

'Da maior importância'

A associação do setor financeiro de Londres alertou na quarta-feira que o status da cidade de centro financeiro proeminente poderia ser afetado se o Reino Unido perder seus direitos de passaporte. Poder recorrer ao mercado comum da UE "sob condições de forma geral semelhantes" é "da maior importância", disse a TheCityUK em relatório.

O CEO do Standard Chartered, Bill Winters, disse que o novo governo do Reino Unido "reconhece claramente o que está em jogo" e está do lado dos bancos. Sergio Ermotti, do UBS Group, disse que ainda tem esperanças de que o Reino Unido preserve esses direitos.

Caso esse não seja o caso, bancos como UBS, Deutsche Bank e Barclays disseram que estão preparados para transferir parte das operações e dos funcionários que têm em Londres para outras cidades da UE, como Dublin, Paris ou Frankfurt.

O Lloyds Banking Group foi o primeiro grande banco a anunciar demissões depois do Brexit e disse que eliminaria mais 3.000 empregos.

"Sem dúvida, essas são decisões difíceis que precisamos tomar", disse o CEO António Horta-Osório em entrevista por telefone com jornalistas. Embora as taxas de juros baixas antes do referendo sobre a UE "já fossem um fator que impulsionava nosso planejamento anterior, agora, é claro, as taxas de juros continuarão mais baixas por mais tempo".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos