Bolsas

Câmbio

Moeda venezuelana despenca novamente no mercado negro

Bloomberg News

(Bloomberg) -- A moeda da Venezuela está tão fraca que os comerciantes começaram a pesar as notas ao invés de contá-las. Em 2015, o bolívar negociado no mercado negro caiu com frequência mais de 10% ao mês.

No período de seis meses até setembro, a moeda do mercado negro na verdade se valorizou, embora os preços de bens não regulados tenham começado a disparar. A calmaria terminou em outubro, quando o bolívar perdeu quase um terço de seu valor na comparação com o dólar americano em questão de semanas.

"Está ocorrendo uma combinação de fatores. A estabilidade que vimos na maior parte deste ano se deu porque a situação no ano passado havia sido muito confusa e o declínio muito agudo", disse Henkel García, diretor da consultoria Econométrica, com sede em Caracas, em entrevista por telefone.

"O gasto público pode estar pressionando a taxa do mercado negro, somando-se à irritação da população e à tensão política. As pessoas veem o declínio e começam a comprar mais" dólares.

A Venezuela mantém controles cambiais rígidos desde 2003 e atualmente conta com duas taxas de câmbio legais -- conhecidas como Dipro e Dicom -- de 10 bolívares e de 658 bolívares por dólar, usadas para importações prioritárias.

No mercado negro, ao qual indivíduos e empresas recorrem quando não conseguem aprovação do governo para adquirir dólares pelas taxas legais, o bolívar teve desvalorização de 48% nos últimos 12 meses, para 1.501 bolívares por dólar em 31 de outubro, segundo o dolartoday.com, um website bastante acompanhado que monitora a taxa de câmbio em Caracas. Na fronteira com a Colômbia, a taxa é ainda mais fraca, de 1.737,50 bolívares por dólar, segundo o website.

Embora agudo, o declínio de 28% deste mês tem precedentes. A moeda caiu 29% em julho do ano passado, 31% em maio de 2015 e gritantes 33% em novembro de 2014.

Prejuízos mensais de mais de 10% se tornaram frequentes a partir de meados de 2012. Desde o início de 2011, a moeda se valorizou em apenas 15 dos últimos 70 meses. A trajetória geral tem sido de queda, e sem um piso.

Sempre que o bolívar cai no mercado negro em Caracas os venezuelanos fazem a mesma pergunta: é um bom momento para vender meus dólares? Se a história for usada como parâmetro, a resposta é que provavelmente não.

A relação entre o mercado negro e a taxa implícita -- o número de bolívares em circulação dividido pelas reservas em moeda estrangeira -- atingiu uma alta de 4,28 em outubro do ano passado. E está em apenas 2,3 no momento. Ou seja, os dólares podem na verdade estar baratos. As pessoas se dispuseram a pagar uma diferença muito maior em outros momentos.

"As pessoas têm medo do que aconteceu no ano passado", disse García, da Econométrica, acrescentando que a taxa do mercado negro pode terminar o ano em torno de 1.700 bolívares por dólar.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos