Bolsas

Câmbio

Legalização da maconha causará onda de fusões no Canadá

Joshua Wingrove e Jen Skerritt

(Bloomberg) -- O Canadá está prestes a detalhar planos para legalizar o uso recreativo da maconha. O setor espera uma onda de fusões, com as empresas almejando presença nacional devido às regras diferentes em cada província.

O governo do primeiro-ministro Justin Trudeau deve apresentar a proposta de lei já nesta semana, mas provavelmente diversos aspectos - como a distribuição e a idade mínima para consumo -- ficarão por conta das províncias, conforme recomendação de um painel federal.

Isso sugere que o mercado de cannabis do Canadá pode ficar parecido com o sistema de restrições às vendas e remessas de bebidas alcoólicas. As companhias do setor devem aumentar os esforços de consolidação para ampliar a presença geográfica à medida que o perfil do mercado se delineia.

O valor das ações de companhias como Canopy Growth se multiplicou por quatro nos últimos 12 meses, diante do otimismo dos investidores com as vendas do produto para uso recreativo, que a Canaccord Genuity Group calculou em 6 bilhões de dólares canadenses (US$ 4,5 bilhões) por ano em 2021. Empreendedores também acessaram o mercado canadense de ações para financiar operações nos EUA.

"Haverá alguma atividade de fusões e aquisições", disse Cam Battley, diretor executivo da Aurora Cannabis, em Alberta. "Acho que haverá rápida construção de capacidade."

O governo alerta que será longo o caminho até a elaboração de regulamentos por províncias e cidades após a legislação ser introduzida. "Há claro reconhecimento de que temos muito trabalho a fazer", disse Bill Blair, deputado federal que já foi chefe de polícia e hoje comanda os esforços de legalização do governo Trudeau. Ele e Bardish Chagger, o líder do governo na Câmara de Deputados, se recusaram a confirmar que a lei será apresentada nesta semana, que antecede um recesso parlamentar. A Canadian Broadcasting Corp. noticiou na segunda-feira que a legislação poderia ser revelada na quinta-feira.

Consolidação e expansão

As empresas podem tentar aquisições em diversas províncias para se proteger do risco de implementação de formas e cronogramas diferentes pelas jurisdições, segundo Daniel Pearlstein, analista de pesquisa da corretora Eight Capital, de Toronto. A implementação vai demorar porque as províncias ainda precisam decidir como a maconha será distribuída, ele explicou, ressaltando que os municípios podem ter direito de supervisionar as lojas licenciadas.

A Canopy, sediada em Smith Falls, Ontário, e primeira companhia com valor de mercado de 1 bilhão de dólares canadenses, anunciou na semana passada que vai se expandir para a região oeste por meio da compra da rTrees Producers, de Yorkton, na província de Saskatchewan. A Aurora Cannabis, que tem uma unidade de produção perto de Calgary e está construindo instalações de mais de 70 mil metros quadrados no Aeroporto Internacional de Edmonton, comprou a Peloton Pharmaceuticals, de Montreal.

"No fim das contas, pode restar um punhado de grandes empresas, então presumimos que haverá muita consolidação ao longo do caminho", disse Pearlstein.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos