Bolsas

Câmbio

Nos EUA, ricos enriquecem e pobres são substituídos por robôs

Vincent Del Giudice e Wei Lu

(Bloomberg) -- A classe trabalhadora dos EUA está ficando cada vez mais para trás.

A desigualdade entre ricos e pobres --diferença na renda anual entre as famílias da camada superior de 20% e as da camada inferior de 20%-- aumentou US$ 29,2 mil entre 2010 e 2015, para US$ 189,6 mil, segundo cálculos da Bloomberg com base em dados do Escritório do Censo dos EUA.

Os computadores e robôs estão assumindo muitos tipos de tarefas, deixando alguns trabalhadores de lado e ao mesmo tempo aumentando a produtividade dos funcionários especializados, o que contribui para a disparidade.

"Os avanços tecnológicos têm substituído cada vez mais empregos de baixa e média qualificação e, ao mesmo tempo, complementado os empregos de maior qualificação", disse Chad Sparber, professor associado e chefe do departamento econômico da Universidade Colgate.

A previsão é que essa mudança continue. Cerca de 38% dos empregos dos EUA poderiam estar sob alto risco de serem automatizados até o início da década de 2030, segundo um estudo da PricewaterhouseCoopers.

Menos qualificados

Entre os setores "mais expostos" estão os de comércio varejista e atacadista, de transporte e armazenagem e de fabricação, sendo que os trabalhadores menos qualificados enfrentam maior pressão.

O uso de funcionários temporários e em meio período pelas empresas para reduzir custos também pode estar ampliando a disparidade, e o crescimento dos salários não está sendo suficiente para fazer frente aos crescentes custos residenciais e das necessidades básicas.

Com o aumento da divisão, as dificuldades dos 20% inferiores são maiores. Moradias acessíveis, por exemplo, são escassas em todo o país, o que força os trabalhadores a morarem mais longe de seus empregos e encararem trajetos diários mais longos e caros de casa ao trabalho. Os custos dos aluguéis aumentaram nacionalmente 3,9% em março em relação ao mesmo mês do ano anterior, segundo o Departamento do Trabalho.

Polos de tecnologia

Os polos de tecnologia estavam entre as cinco áreas estatísticas metropolitanas nas quais a diferença entre as famílias de renda mais alta e renda mais baixa mais se expandiu: duas na Califórnia, em São Francisco e San José, e também Austin e Seattle.

A quinta é o condado de Fairfield, na região sudoeste de Connecticut. A maior parte dos empregados com trabalhos de período integral exercidos o ano todo das comunidades de alta renda de lá, incluindo Old Greenwich e Darien, está em setores como finanças, seguros e serviços científicos e técnicos. Quase metade dos trabalhadores das cidades de renda mais baixa, incluindo Bridgeport, têm empregos nos setores de varejo, manufatura, construção, administração e serviços de resíduos.

A Bloomberg também calculou a mudança na disparidade entre os super-ricos (a camada superior de 5%) e a classe média (os 20% do meio). Ela aumentou US$ 58,8 mil, sendo que Grand Rapids e Des Moines estão entre as áreas metropolitanas com maiores oscilações.

"As empresas estão dobrando a aposta nos cortes de custos e racionalizando suas operações", disse Chris Rupkey, economista financeiro-chefe do MUFG Union Bank em Nova York. Os trabalhadores "da parte inferior não viram tanta melhora quanto os que estão no topo da sociedade".

Toyota cria robô bebê para consolar japoneses solitários

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos