Bolsas

Câmbio

Poluição de energia eólica gera dor de cabeça para o México

Adam Williams

(Bloomberg) -- Turbinas eólicas foram instaladas ao longo de uma faixa do litoral sul do México para tornar o setor de eletricidade do país mais limpo. Agora elas estão derramando óleo.

Na cidade de Juchitán, no mês passado, estava sendo feita uma limpeza ao redor de um gerador da companhia Électricité de France. Trabalhadores com óculos de proteção e máscaras limpavam um lubrificante acobreado que escorria da turbina. Eles tinham embrulhado a base com um pano para absorver mais vazamentos e colocado as pedras e o solo contaminados em sacolas de lixo de plástico.

Flor, a dona do terreno onde a turbina foi instalada, que o aluga para a EDF, disse que chegou ao lugar após ter sido avisada por um vizinho. "O fedor era terrível, como uma espécie de combustível queimado ou amoníaco", disse ela, que solicitou não ser identificada pelo sobrenome por temor a represálias. "As árvores estavam brilhando por causa do óleo." Problemas semelhantes foram informados em todo o istmo de Tehuantepec, um dos lugares mais ventosos do hemisfério ocidental.

Embora os vazamentos tenham um alcance limitado e provavelmente não representem um risco imediato para a saúde, eles dão uma impressão ruim -- e essa é mais uma dor de cabeça para os reformistas da energia no México, que buscam usar mais fontes renováveis à medida que os monopólios estatais vão sendo abertos para o capital privado. O plano conseguiu atrair investimentos globais e a energia eólica está recebendo sua parte, com mais de US$ 6,9 bilhões já comprometidos. Mas esse plano também está gerando todo tipo de oposição local, o que em breve poderia afetar eleitoralmente o partido do presidente Enrique Peña Nieto.

Preocupação

Os aumentos do preço da gasolina, em janeiro, provocaram protestos e saques em todo o país. A região de Chiapas, que tem um histórico de rebelião, está em pé de guerra novamente devido aos planos para vender licenças de perfuração de petróleo. E agora, no estado vizinho de Oaxaca -- que concentra quase dois terços da capacidade eólica do México, incluindo as turbinas de Tehuantepec --, manifestantes estão bloqueando as estradas e pedindo que os futuros projetos sejam arquivados. Os moradores muitas vezes procuram escutar pelo rádio quais estradas estão bloqueadas antes de sair para trabalhar de manhã.

A Életricité de France declarou em um comunicado por e-mail que seu procedimento nesses casos seria determinar as causas do vazamento e avaliar qualquer dano ambiental. Depois, "o solo, a vegetação, as pastagens e/ou plantações contaminados são retirados e o dono do terreno é compensado monetariamente", afirmou a empresa. A EDF não informou em qual etapa estava o caso do México. A companhia afirmou que o lubrificante em questão foi classificado como "não perigoso para o meio ambiente".

Problema eleitoral

O presidente não pode ser reeleito em 2018. Seu partido, o PRI -- que governou o México em 76 dos últimos 88 anos -- enfrenta um grande desafio de Andrés Manuel López Obrador, um populista que prometeu se opor às reformas da energia. As eleições locais no mês que vem poderiam dar um primeiro sinal sobre as possibilidades de López Obrador.

"Provavelmente a maioria das pessoas nas cidades que têm parques eólicos ainda está a favor", disse Marcelino Nolasco, coordenador do Centro de Direitos Humanos de Tepeyac em Oaxaca. "Mas com o tempo, as pessoas começaram a ver menos benefícios que os prometidos inicialmente."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos