PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

Sem acordo, Brexit poderia criar paraíso para gângsteres

Dara Doyle e Rodney Edwards

16/10/2017 10h54

(Bloomberg) -- Noel McLaughlin é um personagem raro ? um irlandês que quer postos de controle na fronteira com o Reino Unido.

McLaughlin vende combustível em Donegal, na República da Irlanda, a cerca de 16 quilômetros de Derry, na Irlanda do Norte, e ele calcula que os moradores locais que contrabandeiam o óleo de aquecimento doméstico pela fronteira reduzem suas vendas em cerca de 25 por cento.

"Gostaríamos de ver uma fronteira fortemente controlada, para ter uma alfândega que funcione em tempo integral, com fiscais de impostos de consumo e renda que acabem com o contrabando", disse McLaughlin, de 50 anos. "Queremos que alguém pare e pergunte às pessoas o que elas estão levando."

O contrabando na fronteira irlandesa pode ser um microcosmo dos desafios enfrentados pelo Reino Unido e pela União Europeia após o Brexit. O governo de Theresa May deixou claro que não vai introduzir controles de fronteira rigorosos quando o Reino Unido sair do bloco. Isso inevitavelmente criará um "paraíso para gângsteres", de acordo com Simon Sneddon, professor sênior de direito da Universidade de Northampton.

"Se eu fosse uma gangue de crime organizado, eu estaria comprando aeronaves leves, bebidas alcoólicas e um milhão de cigarros Marlboro, e estaria rezando por um Brexit rápido e duro", disse Sneddon, que se opõe à saída do Reino Unido da UE. "O Brexit restringirá o que pode ser importado legalmente, sem fazer mais nada para reduzir a demanda."

O lugar onde este perigo é mais evidente é a fronteira de quase 500 quilômetros que vai desde perto de Derry, no norte, até Dundalk, no sul, que será a única fronteira terrestre da UE com o Reino Unido após o Brexit. Cerca de 30.000 pessoas atravessam a fronteira por dia, às vezes sem saber que estão passando por um dos 300 cruzamentos.

O Reino Unido está resistindo a novos controles na fronteira, e May diz que "nenhuma infraestrutura física" será colocada na fronteira, porque isso poderia comprometer o processo de paz da região e o comércio entre o norte e o sul da Irlanda.

Controles

Os controles das fronteiras na Irlanda praticamente desapareceram na década de 1990, quando ambas as economias se juntaram ao mercado único e um acordo de paz acabou com a violência sectária que assolava a região desde o início da década de 1970.

Os pontos de verificação do Exército britânico, as barreiras concretas que bloqueavam as estradas e os postos alfandegários onde os funcionários monitoravam os contrabandistas deixaram de existir. No entanto, o comércio ilícito de álcool, tabaco e combustível sobreviveu, para evitar as diferenças entre as taxas de imposto em ambos os lados da fronteira.

O Brexit poderia aumentar o contrabando em todo o Reino Unido e na UE. Se os dois lados não conseguirem chegar a um acordo e cada lado adicionar impostos sobre os bens do outro, aumentará a oportunidade para os contrabandistas. Sem controles alfandegários rigorosos, os riscos para os contrabandistas são menores.

--Com a colaboração de Thomas Seal