ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Executivos de finanças e tecnologia não são os únicos ricos

Anders Melin

11/01/2018 14h26

(Bloomberg) -- Os executivos dos EUA não precisam trabalhar em Wall Street ou no Vale do Silício para ficarem ricos.

Entre os chefes das empresas de capital aberto, aqueles que estão nos negócios de consumo básico receberam pacotes de remuneração médios de US$ 47,8 milhões no último ano fiscal, valor maior do que o de qualquer outro setor, segundo o Bloomberg Pay Index, que reúne 200 executivos seniores com as remunerações mais elevadas. Há um ano, o índice classificava os chefes do setor de saúde como os mais bem pagos.

Os gestores do setor de comunicação que aparecem no índice receberam uma média de US$ 34,7 milhões, mais do que os US$ 31 milhões de seus pares de finanças. Os valores incluem salários, bonificações, gratificações, mudanças no valor das pensões e novos prêmios em ações avaliadas no fechamento do ano fiscal de cada empresa. Como resultado, os números podem ser diferentes dos divulgados nos comunicados ao mercado.

Cada setor apresentou valores atípicos que ajudaram a distorcer as médias. Marc Lore, do Wal-Mart Stores, que entra na categoria de consumo básico, recebeu US$ 236,9 milhões como parte da compra de sua Jet.com pela empresa de varejo. Nas finanças, John Weinberg, da Evercore, obteve US$ 123,2 milhões ao começar a trabalhar no banco, em novembro de 2016. O CEO do Google, Sundar Pichai, liderou o setor de comunicação com US$ 106,5 milhões (a empresa controladora, Alphabet, não é considerada firma de tecnologia pelo índice da Bloomberg porque gera a maior parte de sua receita com anúncios).

Entre os CEOs das empresas da S&P 500, aqueles que administram empresas de comunicação apresentaram os maiores pacotes de remuneração média, liderados por Les Moonves, da CBS, com US$ 83,6 milhões. Os chefes do setor de tecnologia ficaram em segundo lugar, liderados por Tim cook, da Apple, com US$ 98,8 milhões.

O índice da Bloomberg aloca valores únicos ao longo da atribuição dos prêmios quando as empresas declaram que equivalem a pagamentos feitos ao longo de vários anos.

--Com a colaboração de Jenn Zhao

Mais Economia