ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Minério de ferro cairá com rentabilidade de usinas, diz Liberum

Jasmine Ng

18/01/2018 13h47

(Bloomberg) -- O minério de ferro deverá cair em direção aos US$ 50 por tonelada quando a rentabilidade das usinas na China recuar, segundo a Liberum Capital, que afirma que o ágio obtido pelo material de referência em relação às qualidades inferiores, que se transformou em característica destacada do mercado, não se sustentará.

A diferença entre o minério com 62 por cento de teor ferroso e os de qualidades inferiores é transitória, disseram analistas, incluindo Richard Knights, em nota recebida nesta quinta-feira. "Os preços de referência oscilarão rapidamente de volta para os preços das qualidades inferiores -- atualmente em US$ 46 -- à medida que a rentabilidade das siderúrgicas cair e os estoques portuários diminuírem."

O mercado global de minério de ferro tem registrado o aumento do ágio no preço pago pelos minérios com maior teor ferroso nos últimos meses porque a China está combatendo a poluição neste inverno limitando a oferta de aço, o que estimula a procura por qualidades mais eficientes. A situação gerou debate a respeito da possibilidade de a mudança ser permanente ou uma fase passageira. A avaliação da Liberum de que a mudança não perdurará coincide com a visão do Barclays, que afirmou que a diferença maior é gerada pela rentabilidade das usinas, e que se esta cair, os preços acompanharão.

"As diferenças que estão sendo alcançadas atualmente pelo minério de qualidade de referência resultam basicamente da política chinesa, considerando que ela influenciou a rentabilidade das siderúrgicas", disse a equipe da Liberum. "Quando a rentabilidade das siderúrgicas cair, futuramente, o mesmo ocorrerá com o ágio e com o preço do minério de ferro."

O desconto pago no minério com 58 por cento de teor ferroso em comparação com o de 62 por cento aumentou de menos de 15 por cento no início de 2016 para 45 por cento na quinta-feira, quando o minério de referência estava em US$ 74,87 a tonelada e o de baixa qualidade, em US$ 41,49, segundo a Metal Bulletin.

Entre aqueles que sinalizam uma oscilação mais duradoura em direção a um minério de maior teor ferroso está a BHP Billiton, que em setembro anunciou a chegada de uma "nova realidade". Em separado, o Commonwealth Bank of Australia afirmou que se trata de uma "mudança estrutural", acrescentando que a mudança "não desaparecerá tão cedo".

Os estoques portuários da China, a maior usuária, aumentaram por 13 semanas, para um recorde de 152,8 milhões de toneladas, segundo a Shanghai Steelhome E-Commerce. A Liberum afirmou que embora venha ocorrendo um "enorme crescimento" no estoque geral, não há evidências de que atualmente os minérios de qualidades inferiores respondam por uma fatia maior do que antes.

Mais Economia