Topo

Partech Ventures aposta na globalização de tecnologias africanas

Marie Mawad

18/01/2018 14h25

(Bloomberg) -- A empresa europeia de capital de risco Partech Ventures está lançando um fundo dedicado a investimentos na África depois de garantir compromissos para mais da metade dos 100 milhões de euros (US$ 122 milhões) que busca levantar para financiar startups do continente.

Com 57 milhões de euros inicialmente garantidos, a Partech buscará negócios entre 500.000 euros e 5 milhões de euros em startups em estágio inicial em toda a região, com foco na África subsaariana, anunciou na quinta-feira, em comunicado. Depois de levantar mais de um bilhão de euros em financiamento nos últimos 2 anos para investimentos em tecnologia na Europa e nos EUA, a firma de capital de risco está se expandindo para a África para apoiar empreendedores de áreas como tecnologia financeira, serviços móveis ao consumidor e mobilidade.

A Partech abrirá escritórios em Dakar, no Senegal, que se soma à presença atual da empresa em Paris, Berlim e São Francisco. O novo fundo é liderado por Tidjane Deme, antes encarregado de desenvolver o Google, da Alphabet, nos países francófonos da África, e por Cyril Collon, ex-executivo de vendas da Verscom Solutions na região.

"A combinação de adoção da tecnologia e ambiente macroeconômico favorável gera oportunidades para criar negócios na África", disse Deme, hoje sócio da Partech. "Nosso objetivo é ajudar as startups a ganhar escala nos mercados da região e internacionalmente."

Região menos desenvolvida do mundo em telefonia celular, a África subsaariana é também a de mais rápido crescimento, impulsionada pela adoção de smartphones, pelo aumento do tráfego de dados móveis e pela demanda por conteúdo e serviços digitais, mostrou relatório de 2017 da GSMA, uma associação do setor de telefonia celular. A GSMA prevê 535 milhões de assinantes de celulares na região em 2020, contra 420 milhões em 2016.

Alta qualidade

Entre os investidores do fundo voltado à África estão as empresas Orange, Edenred e JCDecaux, além de operadores financeiros como a IFC, o Banco Europeu de Investimento e um fundo administrado pela firma estatal de investimentos francesa Bpifrance. A Partech, que anunciou em julho do ano passado que buscava 100 milhões de euros para lançar uma unidade na África, projeta que atingirá a meta ao fechar outra parcela no fim do trimestre e uma terceira e última fatia antes do verão (Hemisfério Norte).

No geral, o capital de risco na África se multiplicou por nove desde 2012, segundo estimativas da Partech. São esperados investimentos de cerca de 500 milhões de euros neste ano, o que ajudará a elevar o total a cerca de 4 bilhões de euros nos próximos 5 anos, prevê a Partech. O tamanho projetado do fundo permite o foco nos ativos de alta qualidade do mercado, disse Deme.

"Achamos que ainda há muito a ser feito na área de tecnologia financeira porque o aumento da adoção de dinheiro móvel cria um terreno fértil para que as startups desenvolvam serviços", disse Collon. "Existe potencial para que essas tecnologias africanas se tornem globais."

Mais Economia