Bolsas

Câmbio

Starbucks vira alvo de críticas após prisões 'repreensíveis'

Justina Vasquez e Leslie Patton

  • Mark Makela/Getty Images/AFP

    Loja na Filadélfia (EUA) virou alvo de protestos

    Loja na Filadélfia (EUA) virou alvo de protestos

(Bloomberg) -- A Starbucks, que divulga há anos seu compromisso com a justiça social, luta para restaurar a confiança na rede de cafeterias após a prisão de dois clientes negros na Filadélfia, nos EUA.

O CEO Kevin Johnson pediu desculpas pelo incidente, em que a polícia foi chamada porque os dois homens esperavam em uma mesa da Starbucks sem pedir. Foi um "resultado repreensível", disse ele, em comunicado, no fim de semana.

Na sequência, Johnson publicou uma mensagem de vídeo na qual prometeu reavaliar as políticas e práticas da Starbucks. A empresa com sede em Seattle pode adotar também mais treinamento aos gerentes de lojas, incluindo instruções sobre o preconceito inconsciente, disse.

"Vou corrigir isso", disse Johnson, 57. "Isso não representa o que somos, nem o que seremos."

Melisa Depino/Reuters
Um dos clientes presos
 

A controvérsia representa um dos primeiros testes importantes para Johnson, que assumiu há um ano o lugar de Howard Schultz, CEO com longo tempo de empresa. A empresa se orgulha de suas práticas de desenvolvimento comunitário e de lutar por causas sociais, mas suas ações já foram questionadas antes. 

Sob o comando de Schultz, a Starbucks fez os baristas escreverem "race together" ("raças unidas", em tradução livre) nos copos dos clientes com o objetivo de estimular a discussão sobre as relações raciais dos EUA. A medida foi criticada nas redes sociais e considerada uma abordagem imprudente para uma questão complexa.

Johnson enfrenta também a desaceleração do crescimento, prejudicado em parte pelo movimento lento no horário da tarde. As vendas comparáveis -- um dos indicadores mais importantes -- subiram apenas 2 por cento no trimestre mais recente divulgado pela empresa.

Discussões locais

Há cerca de 28.000 cafeterias Starbucks em todo o mundo, e as práticas locais podem variar bastante. Na Filadélfia, a vice-presidente regional da empresa, Camille Hymes, foi incumbida de falar com funcionários, clientes, líderes comunitários e agentes da lei sobre o incidente.

"Acho que eles fizeram um bom trabalho em termos de controle de danos", disse Brian Yarbrough, analista da Edward Jones.

Johnson disse também que espera se reunir com os dois homens que foram presos e pedir desculpas pessoalmente.

Mas o executivo disse que não há planos de demitir a chefia da loja que lidou com a situação.

"Acho que não merece levar a culpa", disse Johnson.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos