ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Sem inspiração nem representação, eleitoras continuam indecisas

Rachel Gamarski e Simone Iglesias

23/08/2018 07h28

(Bloomberg) -- As mulheres brasileiras continuam indecisas sobre quem apoiar na corrida presidencial, sentindo-se pouco inspiradas pelos candidatos e não representadas pelas propostas políticas.

Metade das mulheres não sabem em quem vão votar e 15% pretendem anular seus votos, de acordo com a última pesquisa Datafolha. Com mulheres abrangendo 52% do eleitorado, o voto feminino determinará o resultado de uma das eleições mais imprevisíveis dos últimos 30 anos.

A falta de propostas dos candidatos em assuntos de interesse das mulheres e a ausência de informações sobre políticas voltadas para o público feminino em seus planos de governo é o que motiva parte dessa indecisão, segundo Eva Bay, professora da Universidade de São Paulo (USP). "Não falam na questão da violência contra a mulher, não falam sobre os problemas relacionados à saúde reprodutiva, filhos, maternidade, aborto. Os candidatos não tocam nesses assuntos. As mulheres estão mais fortalecidas e querem votar com certeza, não querem jogar fora o voto".

O ambiente político masculino e culturalmente excludente também são elementos que afetam o voto das mulheres. "Historicamente, a política é feita de homens para homens", disse a analista Deysi Cioccari, doutora em Ciências Políticas pela PUC-SP. "O debate eleitoral é um processo agressivo, num cenário predominantemente masculino e, quando surge um tema ligado às mulheres, como o aborto, por exemplo, o desgaste é imenso."

Embora as eleitoras estejam um pouco mais decididas desde a última pesquisa em junho, ainda há uma diferença de vinte pontos percentuais entre homens indecisos e mulheres indecisas.

Vox Populi

Pelas ruas da capital federal é possível confirmar a indefinição feminina. A falta de propostas voltadas às mulheres é um dos principais motivos apontados por entrevistadas. "Não decidi ainda, não me sinto representada por nenhum dos candidatos, nenhum vale o meu voto. Vou ver os programas de TV e avaliar um pouco mais", disse a comerciante Luzia Martins, de 43 anos. A empregada doméstica Maria do Socorro Silva, 52, fala em desilusão com a política porque não consegue ver honestidade nos candidatos. "Não sei em quem votar, é tudo a mesma coisa. Eu acho que ou não vou votar, ou vou votar nulo. É muito triste ver o país assim".

Em sua primeira eleição, a estudante Fernanda Marcela, 17 anos, se diz frustrada. Segundo ela, apesar de intensa pesquisa para conhecer melhor os candidatos, não encontrou o voto ideal. "Todos os candidatos se corrompem".

Como única mulher concorrendo à Presidência com potencial chance de vencer, Marina Silva (Rede), concorda com a avaliação de que é preciso conhecer as propostas, propósitos e trajetória dos candidatos antes de decidir seu voto. "As mulheres são mais criteriosas e, depois de tantas decepções na política, cautela e canja de galinha não fazem mal a ninguém", disse à Bloomberg.

Não só na definição do voto, mas a disparidade entre homens e mulheres também está presente na vida profissional dos brasileiros. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), pessoas do sexo feminino estudam mais, trabalham mais e ganham menos do que as do sexo masculino. Pesquisa de junho feita pelo instituto indica que as mulheres recebem, em média, salário 23,5% menor do que os homens. Dados do Ministério Público reforçam a necessidade de olhar para as mulheres. De 2016 a agosto de 2018, foram reportados ao governo 1,2 milhão de casos de feminicídio e violência contra a mulher, de acordo com levantamento feito pelo MP.

Mais Economia