ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Vila suíça decide testar renda mínima; agora, só falta arrecadar o dinheiro

Catherine Bosley

10/09/2018 16h06Atualizada em 10/09/2018 18h01

(Bloomberg) -- É difícil dizer "não" a algo grátis. Uma vila na Suíça decidiu autorizar uma experiência sobre renda mínima, que prevê o pagamento de 2.500 francos (cerca de R$ 10,5 mil) por mês. O próximo passo é levantar o dinheiro para financiar o plano por meio de crowdfunding.

Mais de 50% dos habitantes de Rheinau, que fica perto da fronteira com a Alemanha, se inscreveram no projeto, segundo o website dos organizadores. Pelo menos metade dos 1.300 habitantes precisava dizer "sim", e a contagem estava em 692 nesta segunda-feira. As cédulas de votação enviadas ainda precisam ser conferidas com dados do governo para garantir a elegibilidade.

A decisão foi tomada dois anos depois que uma proposta para um "salário" estatal incondicional para todo o país foi reprovada em votação nacional.

Rheinau, que fica às margens do rio Reno e a uma hora de trem do centro bancário de Zurique, foi escolhida pela cineasta Rebecca Panian para o teste de renda mínima. Ela diz que ficou fascinada com a ideia durante o debate nacional antes da votação de 2016 e decidiu escolher uma aldeia como "cobaia" e fazer um documentário.

Os ganhos e benefícios sociais pesariam contra o pagamento, que terá que ser levantado com fontes privadas, e não com o governo.

Considerando o custo de vida na Suíça, a soma de 2.500 francos não é tão elevada. O salário inicial de um caixa de supermercado na cidade da Basileia para 42 horas de trabalho por semana é de cerca de 3.500 francos (cerca de R$ 14,7 mil) por mês.

Embora exista há mais de um século, a ideia de distribuir dinheiro às pessoas --sem contrapartidas-- ganhou certo impulso nos últimos anos devido a preocupações em grandes economias a respeito da crescente desigualdade e da perda de empregos causada pela automação.

A Finlândia lançou um projeto-piloto para avaliar os benefícios de uma renda mínima universal, assunto que está também na agenda do governo populista da Itália.

Mais Economia