ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Tarifa de Trump pode ser 10 vezes pior para consumidor dos EUA

Bruce Einhorn

30/10/2018 11h22

(Bloomberg) -- A próxima batalha da guerra comercial entre os EUA e a China pode ser a mais cara até agora para os consumidores americanos.

Os EUA estariam se preparando para anunciar tarifas sobre todas as importações chinesas restantes até o início de dezembro, e o impacto no caixa pode ser 10 vezes maior do que o das rodadas anteriores, de acordo com um relatório de economistas do Citigroup.

"Em meio ao aperto nos mercados de trabalho e aos custos mais altos de insumos, achamos que existe o risco de que as empresas decidam repassar parte dos custos aos consumidores", escreveram os analistas César Rojas, Catherine Mann e Veronica Clark no relatório Citigroup Global Markets de 29 de outubro. "As tarifas adicionais impostas à China têm o potencial de impulsionar a inflação ainda mais do que o que prevemos atualmente."

As novas penalidades, que poderiam entrar em vigor no início de fevereiro, abrangeriam bens de consumo feitos na China, como os aparelhos iPhone da Apple e os tênis da Nike, que até então tinham sido poupados pelo governo Trump. O impacto de uma tarifa de 10 por cento sobre os US$ 267 bilhões em importações poderia ser 10 vezes maior que o da primeira rodada, de US$ 50 bilhões, e duas vezes maior do que o das tarifas a US$ 200 bilhões na segunda rodada, escreveram os analistas.

Produtores e varejistas de roupas e calçados já estão se preparando para o aumento das tarifas, de acordo com Stephen Lamar, vice-presidente executivo da American Apparel & Footwear Association.

"As empresas estão analisando o futuro e esperando que as tarifas cheguem", disse ele em uma entrevista em 23 de outubro. "Todo mundo sabe que ele vai fazer isso."

Enquanto as empresas estudam optar por fornecedores de outros lugares da Ásia, a lei de oferta e demanda está elevando os custos nos países vizinhos, disse Lamar. "Todo mundo está saindo da China e indo para os mesmos lugares", disse ele. "O Vietnã fica mais caro, o Camboja fica mais caro, fica mais caro em todos os lugares".

Mais Economia