ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Minério de ferro sobe enquanto a China se encontra com Trump

Ranjeetha Pakiam e Haidi Lun

31/10/2018 07h12

(Bloomberg) -- Minério de ferro manteve a boa forma em outubro. Embora os metais básicos tenham sofrido com o aumento das preocupações com a guerra comercial, a matéria-prima usada para fazer aço se recuperou na medida em que as usinas da China produzem volumes recordes antes que os freios anti-poluição sejam aplicados durante o inverno e enquanto o governo reforça o estímulo.

Todas as categorias subiram, com os maiores ganhos registrados pelo material de baixa qualidade em uma reversão das tendências recentes. Minério de alto grau com 65% conteúdo subiu 2% a US$ 98,15 a tonelada em outubro, negociado no mais alto nível em mais de um ano, enquanto a commodity de referência de 62% atingiu US$ 77,10, após aumento de 12%, de acordo com Mysteel.com. Minério de baixa qualidade subiu 17%, a US$ 67,30.

"Estamos realmente vendo uma demanda muito forte por minério de ferro e isso está por trás dessa produção muito forte de aço na China", disse a diretora da Fortescue Metals, Elizabeth Gaines, em uma entrevista de Melbourne para Bloomberg Television na quarta-feira. "Estamos nos sentindo muito animados". A mineradora com sede em Perth envia material de baixa qualidade.

O rali do minério de ferro foi impulsionado pela demanda robusta da China, beneficiando as mineradoras, incluindo o Rio Tinto, BHP Billiton,Vale e Fortescue. As usinas da maior produtora de aço do mundo aumentaram a produção para níveis sem precedentes, com Pequim buscando atenuar o impacto da guerra comercial dos EUA e ampliando gastos com infraestrutura. Os estímulos da China destinados a impedir que a economia desacelere ainda mais estão minimizando o impacto das tarifas dos EUA e apoiando a demanda de matérias-primas, segundo a Rio Tinto.

'Muito animados'

Os clientes da Fortescue no continente estão "muito otimistas e animados" com ambiente econômico e as perspectivas para pelo menos os próximos 12 meses, disse Gaines, citando conversas após uma recente viagem a Dalian. Além disso, o governo da China tem mais opções para ajudar a apoiar a economia, disse ela.

A resiliência relativa da indústria siderúrgica da China - que responde por metade da oferta global - ficou em evidência nesta quarta-feira. Enquanto o índice de gerentes de compras de manufatura da China caiu para 50,2 este mês, de 50,8 em setembro, o indicador PMI para as siderúrgicas subiu para 52,1, com avanço das medidas de produção, novas encomendas e exportações.

Mesmo com o agravamento do conflito comercial com os EUA, os formuladores de políticas da China mantiveram o controle sobre a produção industrial para melhorar o meio ambiente, ajudando preços do aço e rentabilidade das usinas. A maior parte das restrições está concentrada nos meses mais frios do inverno, com as limitações gerais do ano passado dando lugar a uma abordagem mais personalizada nesta temporada.

Campanha ambiental da China também prejudicou minas de minério de ferro locais, restringindo a produção e reforçando a demanda por suprimentos da Austrália e do Brasil. A Sanford C. Bernstein disse em uma nota na quarta-feira que a produção de minas nacionais caiu, embora não tanto quanto mostram os dados oficiais.

O aumento do minério de ferro contrasta com a queda observada nos metais básicos neste mês. Índice LMEX de seis metais perdeu quase 4% em outubro, com o cobre recuando para US$ 6.000 tonelada em Londres.

--Com a colaboração de David Stringer e Krystal Chia.

Repórteres da matéria original: Ranjeetha Pakiam em Cingapura, rpakiam@bloomberg.net;Haidi Lun em Hong Kong, hlun1@bloomberg.net

Mais Economia