PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Cidades ecológicas representam oportunidade de US$ 29 trilhões

Ben Sharples

29/11/2018 15h35

(Bloomberg) -- As cidades estão na vanguarda da batalha contra as mudanças climáticas e a iniciativa de torná-las mais ecologicamente corretas nos mercados emergentes pode oferecer uma oportunidade de investimento de US$ 29,4 trilhões, segundo um relatório.

A maior parte das necessidades de investimento, estimadas em US$ 24,7 trilhões até 2030, se concentra na construção de novos edifícios ou na reforma de estruturas existentes, segundo um relatório da Corporação Financeira Internacional (IFC, na sigla em inglês), uma organização do grupo do Banco Mundial. Entre as demais áreas de investimento ecológico estão veículos elétricos, gerenciamento de água e esgoto e infraestrutura.

A região da Ásia Oriental-Pacífico, que inclui países como China, Indonésia e Filipinas, provavelmente atrairá a maior parcela de capital verde. A América Latina e o Caribe ficarão em um distante segundo lugar.

"Os esforços para limitar o aquecimento global dependem das cidades", segundo o relatório. "Mais da metade da população mundial vive em áreas urbanas e essa parcela continuará aumentando nos próximos 30 anos. Fundamentalmente, as cidades consomem grande parte da energia mundial e produzem mais de 70 por cento das emissões globais de carbono."

Os governos nacionais têm divergido e hesitado frente aos compromissos de combate às mudanças climáticas, ao mesmo tempo em que os cientistas alertam que o mundo precisa investir US$ 2,4 trilhões em energia limpa todos os anos até 2035 e reduzir a energia gerada a partir do carvão a quase nada até 2050 para evitar danos catastróficos. As decisões tomadas pelos órgãos reguladores das cidades podem ter um impacto direto e imediato sobre as pessoas, talvez maior do que o das políticas nacionais ou internacionais, segundo a IFC.

O investimento em infraestrutura urbana para países em desenvolvimento normalmente é financiado pelo setor público, mas sua enorme escala exigirá financiamento de fontes privadas, segundo o relatório. Quase 9.400 cidades se comprometeram com mais de 20.000 ações juntamente com o setor privado em áreas como energia, água, transporte, indústria e construção, informou a IFC.

PUBLICIDADE