PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

Em Manhattan, o prato do ano vem em uma taça de coquetel

Kate Krader

27/12/2018 12h22

(Bloomberg) -- Há 88 anos o Zabar's é a delicatessen mais famosa de Nova York, conhecida pela qualidade de seu salmão defumado e pela variedade de queijos.

Em 2018, o estabelecimento entrou no negócio de coquetéis. Oliver Zabar, neto dos fundadores Louis e Lillian, abriu o Devon, um bar no Lower East Side de Manhattan com bebidas como o Where's Tom Collins? e o Tiki Rum Manhattan, uma mistura baseada em destilados com infusões de grãos de pimenta rosa.

O Zabar's não é o único lugar de Nova York que adicionou um programa notável de bebidas ao seu modelo. Quando a Starbucks levou o seu Roastery, de 2.100 metros quadrados, para o Meatpacking District, em meados de dezembro, a característica mais interessante não foi a chaleira de cobre de 9 metros, mas o bar Arriviamo. Esse é o primeiro bar da Starbucks nos EUA e o segundo fora de Milão. O programa de coquetéis é ambicioso, coreografado por uma estrela em ascensão, a mixologista Julia Momose, cujas bebidas incluem o Nocino Notte, uma mistura de gim, bitter Gran Classico e cerveja gelada da casa, no estilo do Negroni. Até o Momofuku Noodle Bar, o lugar que deu início à obsessão da cidade com o lámen há mais de uma década, finalmente abriu um bar dedicado exclusivamente a coquetéis em seu novo posto avançado em Columbus Circle. O cardápio do Momofuku apresenta highballs como o Fun Guy, uma mistura não convencional de soju com infusão de shiitake e vermute.

E estes são apenas três exemplos de por que o prato do ano em Nova York vem em uma taça de coquetel.

Livros

Este bom momento para os coquetéis vai além dos bares. Também tem sido um ano excepcional para livros focados em drinques, do manual Cocktail Codex, da equipe do Death & Co, ao The Mini Bar, um delicioso compêndio de bolso da revista on-line de bebidas Punch.

O livro mais monumental é o The Aviary Cocktail Book, lançado pelo bar de Chicago do mesmo nome, que agora abriu um segundo estabelecimento em Nova York. O impressionante volume de 444 páginas e 3,2 quilos não é para qualquer barman: o Remember the Maine, com um gelo especial, é uma das receitas mais simples, com apenas 11 ingredientes. Mas o público ficou entusiasmado com a ideia de produzir algo tão valioso para a profissão. O programa Kickstarter, que financiou o livro, tinha uma meta declarada de US$ 60.000. A campanha arrecadou quase US$ 424.000, o que demonstra o interesse por coquetéis.

Então, levante uma taça para o prato do ano de Nova York, o coquetel. E que seja um highball. Se houve um estilo que superou todos os outros -- graças às listas do Momofuku e do Katana Kitten e à redefinição do Cuba Libre feita pelo Existing Conditions -- esse estilo foi o coquetel. Tim-tim!