PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Lucros industriais da China caem pela primeira vez desde 2015

Bloomberg News

27/12/2018 11h33

(Bloomberg) -- Os lucros das empresas industriais chinesas caíram pela primeira vez em quase três anos, o que põe em evidência os efeitos da desaceleração do crescimento econômico, da queda dos preços e da guerra comercial com os EUA.

Os lucros industriais caíram 1,8 por cento em novembro em comparação com o ano anterior, uma queda em relação ao aumento de 3,6 por cento registrado em outubro. O lucro total do mês foi de 595 bilhões de yuans (US$ 86 bilhões), informou o Departamento Nacional de Estatísticas nesta quinta-feira.

As empresas fabris da China já estão sob pressão porque a produção cresceu em novembro ao ritmo mais lento em uma década e a inflação na fabricação desacelerou. Se as atuais negociações comerciais não tiverem sucesso, as tarifas mais altas impostas pelos EUA prejudicariam ainda mais as perspectivas dessas companhias.

"A desaceleração no crescimento das vendas e na inflação na porta da fábrica, combinada com o aumento dos custos, levou ao declínio dos lucros industriais em novembro", afirmou o Departamento Nacional de Estatísticas no comunicado publicado em seu site.

A taxa de crescimento oficial dos lucros em relação ao ano anterior começou a divergir da taxa de crescimento calculada a partir dos valores nominais dos lucros em 2017, e isso continuou sendo um problema no relatório de novembro. Essa discrepância levou alguns economistas a questionar a veracidade dos números.

Os lucros dos primeiros onze meses subiram 11,8 por cento em relação ao ano anterior, para 6,12 trilhões de yuans. Dentro dos setores, a mineração e a fundição de metais ferrosos tiveram os maiores ganhos, enquanto os metais ferrosos e a fundição de metais não-ferrosos tiveram as maiores quedas. A manufatura registrou um aumento de 9,9 por cento no período, desacelerando de um ganho de 11,5 por cento nos primeiros dez meses.

--Com a colaboração de David Ingles.

To contact Bloomberg News staff for this story: Miao Han em Pequim, mhan22@bloomberg.net

PUBLICIDADE