Topo

Apple deve cortar contratação após venda menor de iPhone: Fontes

Mark Gurman

2019-01-17T11:50:52

17/01/2019 11h50

(Bloomberg) -- A Apple reduzirá a contratação em algumas divisões depois de vender menos iPhones do que o esperado e descumprir a projeção de receita para o trimestre que engloba as festas de fim de ano, segundo pessoas a par do assunto.

Tim Cook, CEO da Apple, revelou os dados aos funcionários no começo do mês, em reunião realizada um dia depois de escrever uma carta aos investidores sobre as dificuldades recentes da empresa, particularmente na China. Durante a reunião, perguntaram a Cook se a empresa congelaria as contratações como resposta. Ele disse que não acreditava que essa fosse a solução. Cook disse que, em vez disso, algumas divisões reduziriam as contratações, segundo as pessoas, que pediram para não serem identificadas por discutirem assuntos privados.

Cook disse que ainda não fechou a decisão a respeito de quais divisões reduziriam as contratações, mas afirmou que grupos-chave, como a equipe de inteligência artificial da Apple, continuariam somando novos funcionários em forte ritmo. Ele também enfatizou que a importância de uma divisão para o futuro da Apple não é medida pelo ritmo de contratações.

Um porta-voz da Apple não respondeu a um pedido de comentário. A Apple contratou avidamente na última década, mas o ritmo de crescimento do número de funcionários diminuiu nos últimos anos. A empresa adicionou cerca de 9.000 trabalhadores em seu último ano fiscal, para um total de 132.000. Um ano antes, a Apple ampliou o total em cerca de 7.000 funcionários.

O recuo nas contratações não afetará os planos de abrir novos escritórios em Austin, no Texas, nem de se expandir na região de Los Angeles, onde a Apple está construindo sua equipe de conteúdo original de vídeo, disse o CEO.

Após a conversa de Cook com os funcionários, alguns vice-presidentes seniores da Apple realizaram reuniões separadas com vice-presidentes, diretores e outros gerentes dentro de seus grupos para enfatizar que a desaceleração das vendas do iPhone é uma oportunidade para inovações, segundo uma das pessoas.

Em 2 de janeiro, a Apple reduziu o objetivo de receita para o trimestre que engloba as festas de fim de ano para US$ 84 bilhões, contra uma faixa anterior de US$ 89 bilhões a US$ 93 bilhões. Essa foi a primeira vez que a Apple reduziu sua projeção de vendas em quase duas décadas. A empresa culpou a projeção de vendas mais fracas do iPhone a obstáculos econômicos e setoriais, principalmente na China.

A gigante da tecnologia com sede em Cupertino, Califórnia, também disse que as atualizações do iPhone não foram tão fortes quanto as esperadas em alguns mercados desenvolvidos porque poucas operadoras estão subsidiando compras de telefones, porque os preços estão mais altos e pelo fato de os consumidores estarem mantendo seus iPhones antigos por mais tempo trocando apenas a bateria, o que sai mais barato.

Em comunicado aos funcionários após o anúncio, Cook disse que não usaria as "forças externas" como desculpa. "Este momento nos dá a oportunidade de aprender e agir", acrescentou.

--Com a colaboração de Ian King.

Mais Economia