PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Americana faz oferta hostil por produtora de maconha do Canadá

Kristine Owram

23/01/2019 14h58

(Bloomberg) -- A revendedora americana de maconha Green Growth Brands iniciou um lance formal para comprar a Aphria, menos de um mês após a produtora canadense da erva recusar sua proposta, alegando que era baixa demais.

Sediada em Columbus, Ohio, a Green Growth não alterou os termos da proposta original, feita em dezembro. A americana oferece 1,5714 ação sua por papel da Aphria e espera concluir um financiamento via ações junto a terceiros no total de 300 milhões de dólares canadenses com a ação saindo a 7 dólares canadenses na operação, o que levaria a oferta a 2,8 bilhões de dólares canadenses.

O plano foi recebido com ceticismo em dezembro, uma vez que a ação da Green Growth era negociada muito abaixo de 7 dólares canadenses quando a proposta surgiu. Na terça-feira, a companhia informou que sua acionista All Js Greenspace aceitou comprar até 150 milhões de dólares canadenses em ações que não forem demandadas.

A Aphria declarou em dezembro que a proposta da Green Growth subestimava "significativamente" a empresa, sediada em Leamington, Ontário. Não houve retorno a tempo da solicitação de comentário da reportagem.

Se a Green Growth conseguir, será a primeira aquisição internacional de peso da indústria de canabis. O Canadá legalizou o uso recreacional em outubro e diversos Estados americanos permitem uso medicinal ou recreativo, embora a maconha seja banida em nível federal. O gasto legítimo dos consumidores com maconha vai chegar a US$ 5,9 bilhões no Canadá e a US$ 22 bilhões nos EUA em 2022, segundo estimativas de Arcview Market Research e BDS Analytics.

A Green Growth tem a retaguarda da família Schottenstein, que fez fortuna com varejo em Ohio. A empresa sinalizou intenção de comprar a Aphria no final de dezembro, três semanas após a última sofrer ataque especulativo por vendedores a descoberto. A ação da Aphria perdeu mais da metade do valor poucos dias após um relatório acusar a empresa de pagar preços inflados por ativos ligados a pessoas com conhecimento interno. Desde então, o papel recuperou a maior parte das perdas.

Em relatório, a Hindenburg Research, especializada em vendas a descoberto, afirmou que a proposta feita em dezembro "não tem credibilidade e é provavelmente uma tentativa de gerar a aparência de demanda, na esperança de motivar ofertas críveis". A firma também questionou o relacionamento entre as duas partes, ressaltando que o segundo maior acionista da Green Growth é um fundo patrocinado pela Green Acre Capital, que tinha entre seus conselheiros o presidente da Aphria, Vic Neufeld.

A Aphria nomeou um comitê especial para revisar as acusações, que considerou "falsas e difamatórias". Neufeld anunciou que vai deixar gradualmente a presidência nos próximos meses, mas permanecerá no conselho da Aphria.

A oferta da Green Growth aos acionistas da Aphria está aberta entre esta quarta-feira e o dia 9 de maio. A companhia contratou Canaccord Genuity Group para assessoria financeira e Norton Rose Fulbright Canada para assessoria jurídica.