IPCA
0.01 Jun.2019
Topo

Finanças pessoais


XP suspende venda de fundos do BTG após saída de Zitelmann

Felipe Marques

2019-02-13T17:09:39

13/02/2019 17h09

(Bloomberg) -- A XP Investimentos, maior corretora de varejo do Brasil, suspendeu a venda de sete fundos do BTG Pactual na sua plataforma, depois da saída de José Zitelmann e Gustavo Hungria, anunciadas pelo banco nesta semana.

Em comunicado enviado a agentes autônomos, obtido pela Bloomberg, a XP afirma que resolveu fechar para novas aplicações os fundos que tinham Zitelmann e Hungria como parte da equipe de gestão.

Zitelmann era o chefe de renda variável para América Latina da gestora do BTG e será substituído por Will Landers, o veterano de mais de 17 anos de BlackRock.

Procurada, a XP confirmou a autenticidade do comunicado. O BTG Pactual não comentou o assunto.

O comunicado da XP informa que a decisão de fechar os fundos na plataforma foi tomada por "precaução", dada a "relevância" das alterações.

Não há motivo para vender cota, diz XP

Não há nenhum tipo de recomendação para que clientes zerem posições nos fundos do BTG e a XP continua a distribuir fundos de renda fixa e multimercados da gestora do BTG que não tenham ligação com a estratégia de renda variável da qual Zitelmann fazia parte, segundo o comunicado.

A XP suspendeu as vendas dos multimercados Discovery e Hedge, da família de fundos de ações Absoluto e Dividendos e do fundo de previdência baseado no Discovery. Outras plataformas digitais ainda estão distribuindo alguns desses fundos, de acordo com seus websites.

No comunicado em que anunciou a saída de Zitelmann, o BTG informou que Landers passaria a supervisionar a estratégia Absoluto e que a gestão continuará nas mãos do mesmo time que já trabalhava nesses produtos. Pedro Maia virou o líder da equipe no Brasil, informou o BTG.

BTG e XP têm batido de frente na competição pelos recursos de investidores de varejo, em uma disputa que tem como centro os agentes autônomos, responsáveis pela distribuição dos produtos de investimentos. A briga foi parar na Justiça e nos órgãos antitruste, com ambos os lados trocando acusações de práticas de abuso de concorrência.

Mais Finanças pessoais