PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Herbicida da Monsanto ataca flora intestinal, segundo processo

Lydia Mulvany e Deena Shanker

14/02/2019 15h47

(Bloomberg) -- A Monsanto foi processada por milhares de fazendeiros e por outros indivíduos que atribuem seus cânceres ao herbicida Roundup, que é extremamente popular. Agora, a alemã Bayer, que comprou a gigante da agricultura no ano passado, é acusada de ter enganado as pessoas que cuidam do jardim de casa em relação ao impacto do Roundup em sua flora intestinal e sua saúde.

O processo, aberto na quarta-feira em um tribunal federal em Kansas City, Missouri, afirma que os rótulos de produtos como o herbicida Roundup garantem falsamente aos consumidores que têm como alvo uma enzima não encontrada "em pessoas ou animais de estimação".

De acordo com a ação - que cita como demandantes três consumidores que buscam indenizações monetárias não especificadas e status de ação coletiva -, o ingrediente ativo do herbicida Roundup, o glifosato, ataca uma enzima também encontrada na flora intestinal benéfica de seres humanos e de alguns animais.

"A Monsanto enganou os consumidores sobre os riscos do glifosato durante décadas", disse o advogado dos demandantes, Robert F. Kennedy Jr., por e-mail. "Apesar dos esforços da empresa para suprimir e distorcer pesquisas sobre o glifosato, a ciência está em ação."

Os produtos Roundup em questão são distribuídos pela Scotts Miracle-Gro, que também é nomeada como réu. Dois outros processos, em Wisconsin e Washington, D.C., baseiam-se em argumentos semelhantes, mas não são ações coletivas.

Daniel Childs, porta-voz da Bayer, disse em uma declaração enviada por e-mail que a ação não tem mérito e que a empresa "pretende se defender com base no mérito da causa". Um processo semelhante apresentado pelos mesmos advogados em Wisconsin não obteve status de ação coletiva porque não foi possível provar que os membros pretendidos da ação tinham visto os rótulos, afirmou a Bayer.

A Scotts não respondeu a pedidos de comentários enviados por e-mail. James Hagedorn, CEO da Scotts, disse em uma conferência com analistas em novembro que a empresa é "indenizada por qualquer litígio relativo ao glifosato pelo papel de agente de marketing".

As vendas nos EUA do herbicida Roundup na categoria de jardinagem totalizaram US$ 295 milhões em 2017, de acordo com os dados mais recentes disponíveis da empresa de pesquisa de mercado Euromonitor. O produto químico também é uma espinha dorsal da agricultura moderna. O segmento de produtividade agrícola da Monsanto arrecadou US$ 3,7 bilhões em 2017, sendo que as vendas do herbicida Roundup representam a maior parte.

A queixa apresentada na quarta-feira se concentra na suposta atuação do glifosato nos intestinos. A flora intestinal se tornou um dos principais focos da pesquisa médica, e um microbioma prejudicial foi vinculado a diversas doenças, da obesidade à depressão.

"Este processo representa a mais recente frente na luta contínua por transparência em relação ao glifosato", disse Clark A. Binkley, advogado dos demandantes, por e-mail. "Ao entrar com o caso no Missouri, estamos levando essa briga para o lar da Monsanto."

--Com a colaboração de Jack Kaskey.

Repórteres da matéria original: Lydia Mulvany em Chicago, lmulvany2@bloomberg.net;Deena Shanker em New York, dshanker@bloomberg.net