PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Mudança em articulação aumentará chance de reforma, diz Maílson

Josue Leonel

22/02/2019 10h34

(Bloomberg) -- O presidente Jair Bolsonaro tem de 70% a 80% de chances de aprovar uma boa reforma da Previdência considerando-se que sejam confirmadas as notícias recentes de que o governo vai mudar sua articulação política e aceitar compartilhar poder com os partidos, diz o ex-ministro da Fazenda e sócio da Tendências Consultoria, Maílson da Nóbrega.

Bolsonaro se beneficiaria de uma série de condições que outros presidentes não tiveram para aprovar a reforma. Entre estes fatores, estaria o fato de a sociedade, inclusive o Congresso, estar mais amadurecida sobre o tema. Haveria ainda um enfraquecimento do PT e da esquerda como um todo, que sempre lideraram a oposição às reformas, além da desmoralização de mitos antigos, como o de que o déficit previdenciário não existe.

"Quando se computa todos estes fatores, as chances da reforma aumentam", disse Maílson, em entrevista por telefone. Ele ainda destaca o fato de o governo estar enfatizando que o eixo da reforma é combater privilégios e desigualdades, atingindo todos os setores. Na mesma linha, a contribuição progressiva, menor para quem ganha menos, e a cobrança dos atrasados poderiam desarmar o discurso da oposição de que a reforma é contra o pobre e de que a solução seria cobrar empresas em dívida com a Previdência. Por fim, Bolsonaro está em início de mandato e tem capital político, o que favoreceria a aprovação de medidas ousadas.

Embora considere a proposta tecnicamente "muito competente", Maílson diz que o governo só terá sucesso se mudar a articulação com o Congresso. Para ele, Bolsonaro escolheu uma estratégia que não terá chance de dar certo se for mantida, que é negociar só com as frentes parlamentares, normalmente focadas em pautas de interesse corporativos próprios, e não em medidas macro. Num sistema multipartidário como o Brasil, quem tem as prerrogativas regimentais são os partidos, cujos líderes definem a pauta do Congresso, afirma o ex-ministro.

Aos olhos da população, o sistema de compartilhamento de poder ficou com imagem arranhada pelos casos de corrupção em governos passados, mas Maílson defende ser possível negociar com as bancadas sem comprometer a ética. "Sem coordenação, o risco de derrota é muito grande", diz o ex-ministro, que cita como exemplo o fracasso do governo esta semana na votação do decreto sobre acesso à informação.