PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Fundadores não cumprem promessa de contratar mais mulheres

Jeff Green

12/03/2019 16h11

(Bloomberg) -- Qual é o momento certo para transformar a diversidade em uma prioridade de sua empresa? Para os homens que criam empresas de tecnologia, a resposta, aparentemente, é nunca.

As empresas de tecnologia fundadas por homens raramente atingem a paridade de gênero em sua força de trabalho e não chegam nem perto dela nos cargos de liderança, segundo uma nova análise sobre 13.000 empresas da agência de recrutamento Stellares. Dentro do pequeno universo de empresas criadas por mulheres, as equipes de trabalhadores equilibradas são a norma.

"É muito típico do Vale do Silício dizer algo do tipo: 'Quando se é pequeno demais, há muitas coisas para enfrentar, não é possível cuidar da diversidade, isso pode ser feito depois'", disse Roi Chobadi, fundador e CEO da Stellares, que tem sede em São Francisco. "Pelo que vimos, isso tampouco é feito depois."

Em empresas cuja equipe fundadora é composta exclusivamente por homens, cerca de 14 por cento dos cargos de liderança são ocupados por mulheres. Naquelas criadas por equipes exclusivamente femininas, a divisão é quase igualitária. O padrão se repete nas empresas independentemente do tamanho, diz Chobadi.

O desequilíbrio se deve, em parte, pela base de profissionais: as mulheres recebem apenas em torno de 18 por cento das formações em cursos de engenharia e ciência da computação. Mas outro motivo é que, em um setor frequentemente criticado pelo preconceito e pela hostilidade em relação às mulheres, para gerar um ambiente de trabalho mais diversificado é preciso um esforço consciente, e poucos fundadores dão prioridade a isso.

Então, o que deve fazer um fundador do sexo masculino que seja comprometido? Uma forma de contrariar a tendência, concluiu Chobadi, é colocar mulheres no comando do departamento de Recursos Humanos. Quando as mulheres representam pelo menos metade dos cargos no setor de RH, uma proporção maior dos cargos de liderança da empresa -- cerca de 20 por cento -- também será ocupada por mulheres, segundo a análise. As mesmas melhorias foram observadas nos departamentos de RH com níveis maiores de minorias entre os funcionários.