PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

Crise do Boeing 737 Max faz EUA reverem aprovações de jatos

Alan Levin e Ryan Beene

26/03/2019 15h09

(Bloomberg) -- O Departamento de Transporte dos EUA está criando uma comissão especial para rever como as aeronaves recém-projetadas são certificadas, impulsionado por críticas após dois acidentes fatais com aviões Boeing 737 Max.

A comissão avaliará como a Administração Federal da Aviação (FAA, na sigla em inglês) supervisiona o processo de revisão e aprovação de novos modelos de aviões, incluindo o uso crescente pelo governo de funcionários de fabricantes de aeronaves para dar luz verde a projetos. A FAA agiu em consonância com outros órgãos reguladores internacionais e suspendeu voos da família de jatos 737 Max em 13 de março depois que surgiram evidências ligando os dois incidentes fatais.

"A segurança é a prioridade número um do departamento e essa revisão realizada por importantes especialistas externos ajudará a determinar se é possível aprimorar o processo de certificação de aeronaves da FAA", informou a secretária de Transporte, Elaine Chao, em comunicado.

A nova revisão amplia ainda mais o escrutínio ao 737 Max, e nesta semana a Boeing está trabalhando com empresas aéreas e órgãos reguladores para preparar uma atualização de software para o avião. Além disso, estão em andamento uma investigação criminal liderada pelo Departamento de Justiça e uma auditoria realizada pelo inspetor-geral do Departamento de Transporte sobre a aprovação do 737 Max. O Senado realizará audiência na quarta-feira para analisar a segurança da aviação após os dois acidentes.

Daniel Curran, porta-voz da Boeing, disse em comunicado, na noite de segunda-feira, que a empresa espera "trabalhar com o comitê especial para promover nosso objetivo comum de ter um setor de aviação seguro e confiável para passageiros e tripulantes. A segurança é nossa maior prioridade quando projetamos, construímos, entregamos e mantemos aeronaves Boeing."

Dois jatos 737 Max 8 caíram nos últimos cinco meses, matando um total de 346 pessoas. Em 29 de outubro, na Indonésia, um sistema de segurança defeituoso de um avião da Lion Air empurrava a aeronave continuamente para baixo. O avião da Ethiopian Airlines que caiu na Etiópia em 10 de março se comportou de forma semelhante, segundo as autoridades locais, mas foram revelados poucos detalhes sobre a investigação.

O Comitê Especial de Revisão do Processo de Certificação de Aeronaves da FAA é um órgão independente que apresentará suas conclusões a Chao e à FAA. O comitê é operado por meio de um novo painel consultivo voltado à supervisão e à certificação de segurança, ordenado pelo Congresso em lei aprovada em outubro.

O general aposentado da Força Aérea Darren McDew, que supervisionou o Comando de Transporte dos EUA, e Lee Moak, um ex-piloto de avião que foi presidente da Associação de Pilotos de Linhas Aéreas (Alpa, na sigla em inglês), foram nomeados colíderes da comissão.

Em separado, a Boeing pediu que as empresas aéreas donas de aviões 737 Max apresentem pedidos para uma atualização gratuita do software projetado para evitar perda de sustentação, que está sendo preparado para implementação, em um sinal de que os órgãos reguladores estão mais perto de aprovar uma proposta de correção que pode recolocar os aviões em operação.

Repórteres da matéria original: Alan Levin em Washington, alevin24@bloomberg.net;Ryan Beene em Washington, rbeene@bloomberg.net