IPCA
0,51 Nov.2019
Topo

Cinco assuntos quentes para o Brasil hoje

Fernando Travaglini e Patricia Lara

29/03/2019 08h26

(Bloomberg) -- Trimestre chega ao fim com tema da Previdência ainda em aberto. Trégua da crise política, porém, vem com ministro Paulo Guedes e Rodrigo Maia selando compromisso para colocar reforma nos trilhos após definição de Marcelo Freitas (PSL) como relator da Previdência na CCJ. Minério é puxado pela Vale. Lira turca segue pressionada por eleição e libra esterlina tem alívio em dia de nova votação sobre Brexit. Veja destaques:

Trégua em curso

O primeiro passo concreto para destravar a reforma da Previdência foi dado no fim da tarde de ontem, com o anúncio do nome do relator da PEC na CCJ, o deputado de primeiro mandato Marcelo Freitas, do PSL. Segundo o Globo, o nome do relator teve o aval do Planalto. Plano é votar a admissibilidade do projeto em 17 de abril. Ao longo de toda a quinta-feira, o governo e Congresso se empenharam em sinalizar um trégua após dias de tensões entre Bolsonaro e Maia. Bolsonaro disse que vai "filar uma boia" na residência oficial do presidente da Câmara quando voltar de Israel, para onde viaja no sábado. Trégua, no entanto, ainda é vista com ceticismo; líderes preveem governo 'de soluços' e reforma magra, diz Painel da Folha.

Protagonistas da reforma

Maia e Guedes vão liderar a articulação política para blindar a Previdência, diz o Estado, após apelos de deputados preocupados com as incertezas. Os dois acertaram também a formação de grupos de trabalho para definir outras pautas da agenda econômica no Congresso, como a reforma tributária e o pacto federativo, diz a reportagem. Ainda de acordo com o jornal, empresários também se mobilizam para proteger reforma.

Clima ameno

Futuros de NY e bolsas europeias sobem, enquanto Treasuries recuam, com investidores medindo perspectivas de crescimento e esperanças de um acordo comercial EUA-China. Negociadores chineses e norte-americanos têm trabalhado linha a linha em um texto para acordo, segundo pessoas familiarizadas com o assunto. S&P 500 caminha para o melhor trimestre desde 2009. Dólar ruma para o quarto trimestre em alta. Lira segue pressionada, ainda que vendas sejam mais amenas, antes de votação em eleição local que é teste para Recep Tayyip Erdogan após semana de convulsão no mercado financeiro. Libra esterlina se aprecia e Theresa May volta à batalha e tenta preservar principal parte de seu acordo para o Brexit em nova votação no Parlamento. Aqui, BC anuncia rolagem integral de swaps de maio.

Empresas

Conselho da BRF elegeu Lorival Nogueira Luz Jr. como CEO global, cargo que assumirá em 17 de junho. Pedro Parente deixará o cargo de CEO global, que acumulava desde 18 de junho de 2018, e seguirá na presidência do conselho, disse a BRF. JBS registrou Ebitda ajustado de R$ 3,39 bi no quarto trimestre, que frustrou a estimativa de pesquisa Bloomberg de 3,59 bi. Lucro líquido ajustado da cia. no período foi de R$ 563,2 mi. Destaques para margens nos negócios suínos e de frangos, que foram reduzidas em relação ao trimestre anterior. Enquanto isso, Sabesp teve lucro líquido de R$ 1,51 bi no quarto trimestre, acima da estimativa de R$ 912,7 mi (faixa entre R$ 871,0 mi e R$ 946,0 mi).

Minério

Futuros de minério de ferro fecharam em alta, depois que a Vale alertou que suas vendas de minério podem cair até um quinto e afirmou que a Ásia está começando a sentir o peso do declínio da oferta da commodity. A mineradora alterou projeção de vendas de minério de ferro de 2019 para 307-332 milhões de toneladas, enquanto projeção anterior era de venda de R$ 382 mi. Preço do minério é afetado também pela decisão da Rio Tinto de declarar força maior em entregas para certos clientes, devido aos danos causados pelo ciclone Verônica Tropical a suas operações na Austrália Ocidental, informou a cia. em comunicado enviado por email.

--Com a colaboração de Felipe Saturnino.

Economia