PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

Cresce número de empresas com soluções para abater drones

Mike Juang

25/04/2019 15h51

(Bloomberg) -- Simplesmente atirar neles? Depois que drones encrenqueiros se infiltraram no aeroporto de Gatwick, em Londres, no final do ano passado, atrapalhando voos de passageiros e custando possivelmente milhões de libras em receita, essa foi a questão instintiva levantada pelo mundo da observação.

Mas para algumas empresas, derrubá-los é uma resposta perigosa e inviável. As empresas têm ideias melhores: disparar uma rede, interceptar o drone, usar um drone maior.

Essas empresas fazem parte de uma indústria emergente que oferece várias soluções, todas na esperança de resolver os problemas causados quando os drones voam para onde não deveriam. A Administração Federal de Aviação dos EUA anunciou no início de 2018 que contou mais de um milhão de drones registrados, e o Goldman Sachs prevê que, até 2020, haverá 7,8 milhões de remessas de drones para consumidores, uma indústria de US$ 3,3 bilhões em receita.

Mas, à medida que os drones se proliferam, os incidentes provavelmente aumentarão, levantando questões sobre como manter os dispositivos rebeldes sob controle.

"Leis não vão parar drones; apenas a tecnologia", disse Joerg Lamprecht, presidente e cofundador da Dedrone Holdings, uma empresa especializada em detecção de drones. "A corrida começou; o futuro não é tripulado; e temos de ficar no comando e no controle".

Os drones estão ficando mais baratos, cada vez mais acessíveis e mais usados nos negócios. A empresa da Alphabet, Wing Aviation, tornou-se na terça-feira a primeira operadora de drones a receber a aprovação do governo como companhia aérea, permitindo que iniciasse entregas de rotina nos EUA.

A Amazon já testou entregas por drone, e empresas de construção, como a McCarthy Building, estão usando para pesquisar locais.

A fotografia com drones está se proliferando e já rendeu festivais de filmes feitos com o aparelho, e uma variedade de dispositivos projetados para corridas está rapidamente ganhando popularidade.

Mas quando os drones são problemáticos e exigem detecção e desativação, é perigoso demais derrubá-los, mesmo que essa seja a resposta mais fácil, de acordo com Arthur Holland Michel, codiretor do Centro para o Estudo do Drone da Bard College em Nova York.

"Não se pode simplesmente pegar um drone com as tecnologias existentes usadas para fotografar aviões regulares", disse Holland Michel.

Drones já causaram estragos em várias ocasiões. No caso de Gatwick, as incursões de drone interrompem as viagens de mais de 120.000 pessoas em 36 horas. Em agosto do ano passado, dois drones carregados de explosivos atacaram o líder venezuelano Nicolas Maduro durante uma parada militar.

Empresas como a Dedrone, a OpenWorks Engineering, a Fortem Technologies, a DroneShield e o fundo de caridade sem fins lucrativos Battelle dizem ter soluções. Todos elas estão desenvolvendo soluções contra sistemas de drones, ou sistemas de aeronaves não tripuladas. A tecnologia é tão nova que sua terminologia ainda não está padronizada e deve ser cuidadosamente aplicada. Por exemplo, a britânica OpenWorks vende um canhão para o ombro que dispara uma rede para pegar o drone e a DroneShield, de Sidney, oferece um laser que, quando disparado, faz o drone aterrissar ou cair.

--Com a colaboração de Jon Morgan.