IPCA
0,1 Out.2019
Topo

Incerteza da guerra comercial vai tirar US$ 585 bi do PIB global

Donald Trump e Xi Jinping durante encontro em Pequim, China, em novembro de 2017 - Andrew Harnik/AP
Donald Trump e Xi Jinping durante encontro em Pequim, China, em novembro de 2017 Imagem: Andrew Harnik/AP

Eddie Spence

19/08/2019 12h02

As tarifas sobre as importações chinesas impostas pelo presidente Donald Trump estão sendo muito criticadas por provocarem desaceleração da economia global, mas é o seu comportamento no Twitter que pode ser ainda mais prejudicial.

De acordo com um relatório da Bloomberg Economics, a incerteza sobre o comércio poderia reduzir o Produto Interno Bruto mundial em 0,6% em 2021, em relação a um cenário sem guerra comercial. Isso é o dobro do impacto direto das tarifas e o equivalente a US$ 585 bilhões do PIB mundial estimado pelo Fundo Monetário Internacional, de US$ 97 trilhões em 2021.

A China seria mais duramente atingida pelo fator de incerteza, com seu PIB 1% menor, em comparação à fatia de 0,6% a ser subtraída da atividade econômica dos Estados Unidos, mostrou a análise.

"O tuíte é mais poderoso que a tarifa", escreveram os economistas da Bloomberg em relatório.

Os posts na mídia social do presidente dos EUA sobre comércio, muitos dos quais sobre a China, às vezes aparecem várias vezes ao dia, e outras vezes não. Sua postura contraditória sobre o progresso das negociações com Pequim causa arrepio nas empresas que estão tomando decisões sobre investimentos e contratações.

O Fed respondeu às dificuldades na economia com um corte de 0,25 ponto percentual no mês passado. O relatório da Bloomberg Economics diz que, embora a política monetária possa ser usada para mitigar os choques de incerteza, não pode evitar totalmente o estrago. Se os bancos centrais responderem à fraqueza da demanda, o PIB mundial será 0,3% menor em 2021 do que seria em um cenário sem guerra comercial.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Economia