PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Gestor veterano recomenda evitar senso comum em guerra comercial

Andreea Papuc

09/09/2019 13h45

(Bloomberg) -- Fique fora da linha de tiro e evite suposições comuns. Esse é o manual para a guerra comercial de um veterano de investimentos da Escócia, com mais de 30 anos de experiência em gestão de recursos.

"É difícil escolher um vencedor em uma guerra comercial", disse Kim Catechis, que ajuda a administrar cerca de US$ 20 bilhões como chefe de estratégia de investimentos da Martin Currie, afiliada da Legg Mason. "Por quê? Porque, embora uma empresa não seja atingida hoje, pode ser atingida amanhã."

Catechis está de olho em empresas "que não estejam na linha de tiro", como o Alibaba, que se beneficia do maior número de consumidores chinesas de renda média fazendo compras na Internet. A Ferrari e a grife de roupas italiana Moncler são outros exemplos, ambas com chances de se beneficiar do crescente número de milionários em todo o mundo, disse o gerente de recursos, em entrevista em Sydney.

Os mercados globais têm sido atingidos pela escalada da guerra comercial EUA-China, desde que o presidente Donald Trump decidiu impor tarifas pela primeira vez sobre as importações no início de 2018. A volatilidade disparou, e as estimativas para os lucros corporativos caíram com o impasse das negociações comerciais.

Os investidores têm feito uma série de suposições erradas na análise do conflito comercial, segundo Catechis. Uma é simplificar demais o efeito da guerra a apenas "crescimento econômico menos o impacto das tarifas"; a outra é que a China estaria em dificuldades e em um ponto de ruptura, disse.

Por exemplo, os dados mais recentes da China podem ter mostrado uma queda nas exportações para os EUA em agosto, mas a modesta baixa total sugere que a China tem aumentado as exportações para outros países, disse.

"Os investidores realmente não entendem a guerra comercial", disse Catechis. "A guerra comercial é o determinante mais importante de suas expectativas de crescimento global, que, por sua vez, será o maior modelador de resultados de investimentos."

Para contatar a editora responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net