PUBLICIDADE
IPCA
+0,25 Jan.2021
Topo

Migração líquida da UE para Reino Unido é a menor desde 2003

Lucy Meakin

28/11/2019 13h27

(Bloomberg) -- A migração líquida da União Europeia ao Reino Unido caiu para o nível mais baixo desde 2003 no acumulado do ano até junho, segundo estimativas preliminares do Escritório Nacional de Estatísticas (ONS, na sigla em inglês) publicadas na quinta-feira.

O maior declínio registrado foi entre cidadãos dos chamados países da UE8, aqueles que aderiram ao bloco em 2004, disse o ONS. A imigração geral da região atingiu o menor nível desde 2013, pois menos cidadãos da UE se mudaram para o Reino Unido para trabalhar.

A imigração surgiu como um tema decisivo no referendo sobre a saída do Reino Unido da UE em 2016, e as eleições marcadas para 12 de dezembro voltam a colocar a questão em foco. Enquanto alguns argumentam que a liberdade de migração no bloco comercial prejudicou as perspectivas de emprego para os britânicos, grupos empresariais argumentam que limitar a entrada levará à escassez de habilidades, especialmente nos setores de saúde e construção.

"Focar apenas no 'mais brilhante e no melhor' é um erro, pois já existe um déficit em todos os níveis de habilidades no contexto de emprego recorde", disse Matthew Fell, diretor de políticas do CBI no Reino Unido. "Para construir casas e escolas, não precisamos apenas de arquitetos e engenheiros, mas também de pedreiros e encanadores."

É uma história diferente para imigrantes de outras partes do mundo, cujos fluxos continuam a aumentar. Embora estudar continue sendo o principal motivo da imigração, os dados também mostram que o número de cidadãos que não fazem parte da UE em busca de emprego subiu desde 2013, impulsionado por mais emigrantes da Ásia, cujo volume mais do que dobrou desde o ano encerrado em junho de 2017.

Para contatar o editor responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net