PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Contratações disparam nos EUA, mas Fed deve seguir na espera

Alister Bull

06/12/2019 14h03

(Bloomberg) -- Os dados sobre o mercado de trabalho dos Estados Unidos em novembro provocaram um salto dos rendimentos dos Treasuries, mas não eliminaram as apostas de que o Federal Reserve vai manter os taxas de juros inalteradas pelo menos até o primeiro trimestre de 2020. E isso faz sentido.

Embora o forte ritmo de contratações em novembro tenha surpreendido, com a geração de 266 mil empregos, a inflação permanece baixa e o presidente do Fed, Jerome Powell, descartou o aumento dos juros, a menos que a alta dos preços se acelere de forma sustentada.

"Precisaríamos ver uma aceleração realmente significativa da inflação persistente antes de considerarmos o aumento das taxas" para abordar questões inflacionárias, disse Powell a repórteres em 30 de outubro. A declaração seguiu o terceiro corte consecutivo dos juros e sinalizou claramente que a política monetária estava em modo de espera, a menos que houvesse uma grande mudança de cenário.

Os investidores compartilham essa visão. Os contratos futuros de juros sinalizam probabilidade quase zero de um aumento na reunião do Fed de 10 e 11 de dezembro, com a manutenção da política monetária até junho, embora as chances de outro corte estivessem acima de 50% em setembro. A pesquisa da Bloomberg com economistas, conduzida entre 2 e 4 de dezembro, sinalizou manutenção até 2021.

Os preços medidos pelo índice de inflação usado como referência pelo Fed, que exclui alimentos e energia, aumentaram 1,6% nos 12 meses até outubro e ficaram abaixo da meta de 2% do Fed na maioria dos últimos sete anos.

Dito isso, há sinais no relatório do mercado de trabalho de que a mão de obra escassa está alimentando a alta dos salários, embora essa pressão ainda não tenha provocado a aceleração da inflação.

"Isso, com certeza, apoia a pausa do Fed. O mercado está dizendo que a pausa do Fed se justifica", disse Subadra Rajappa, diretora de estratégia de juros dos EUA do Société Générale, em entrevista à Bloomberg Television.

--Com a colaboração de Steve Matthews e Matthew Boesler.

Para contatar o editor responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net

PUBLICIDADE