PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Novo vírus causa nervosismo em mercado siderúrgico chinês

Krystal Chia

22/01/2020 13h17

(Bloomberg) -- A maior indústria siderúrgica do mundo está sob pressão devido à propagação de uma doença respiratória que ameaça atrasar a atividade de construção.

As preocupações se concentram na capacidade de as pessoas de viajarem para a China durante e após as festas do Ano Novo Lunar, que começam na sexta-feira, e se o governo pode tentar impedir o movimento para conter a propagação da doença. O setor siderúrgico chinês normalmente acelera a produção depois da semana festiva, com a retomada das obras de construção.

"Se os trabalhadores da construção não puderem retornar de suas cidades de origem após o Ano Novo Lunar, isso afetaria o reinício das atividades de construção", disse Sarah Zhao, analista da Huatai Futures. Embora até agora apenas as viagens de ida e volta a Wuhan, onde o vírus surgiu, tenham sido desencorajadas, há receio sobre alertas semelhantes para outras regiões, caso o vírus se espalhe, disse.

A doença relembra o surto da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS), ocorrido há 17 anos, embora ainda não tenha a mesma gravidade.

"Considerando que as autoridades chinesas tenham experiência com a SARS, as medidas de prevenção desta vez seriam mais precoces e oportunas", afirmou a CITIC Futures em relatório. "Se o vírus se intensificar devido a viagens durante o feriado do Ano Novo Lunar, as medidas provavelmente serão reforçadas nos próximos dois a três meses e certamente terão um impacto no movimento de trabalhadores da construção, afetando a demanda para a produção de aço."

Além da triagem, autoridades chinesas intensificam o monitoramento das conexões de transporte, já que o número de mortos aumentou de seis para nove, e centenas de milhões se preparam para viajar no feriado.

Mesmo antes do surto do novo vírus, os preços do aço estavam sob pressão devido aos maiores estoques, de acordo com a CITIC.

--Com a colaboração de Ranjeetha Pakiam.

Para contatar o editor responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net