PUBLICIDADE
IPCA
0,26 Jun.2020
Topo

BCE avalia efeito da crise sobre bancos antes de próximos passos

Nicholas Comfort

19/05/2020 12h16

(Bloomberg) -- Reguladores do setor bancário da Europa planejam esperar até o fim do terceiro trimestre antes de decidir se devem conceder mais alívio ou iniciar um retorno gradual a demandas mais rigorosas, segundo pessoas com conhecimento do assunto.

Após oferecer flexibilidade sem precedentes aos bancos para ajudar a manter o fluxo de crédito para a economia, reguladores do conselho fiscal do Banco Central Europeu agora querem avaliar como as instituições serão afetadas pelo impacto do vírus, disseram as pessoas, que não quiseram ser identificadas. O BCE ainda pode agir rapidamente caso a necessidade surgir antes, disseram.

Uma porta-voz do BCE não comentou.

O BCE permitiu que os bancos acessem reservas de capital acumuladas nos bons tempos para atender à maior demanda por crédito e para absorver perdas com empréstimos inadimplentes por causa da pandemia. Após três rodadas desde meados de março, o BCE adiou outras medidas, embora parlamentares agora estejam revendo a flexibilização da MiFID II, regras que, segundo os bancos, corroeram receitas e aumentaram custos.

Outubro é o primeiro mês do quarto trimestre e deve haver mais clareza sobre os empréstimos de risco dos bancos até lá. Balanços do primeiro trimestre mostraram que os bancos fizeram suposições muito diferentes sobre o desempenho da economia neste ano quando calcularam provisões para empréstimos duvidosos. O Bundesbank da Alemanha disse neste mês que o risco de crédito terá um impacto cada vez maior a partir do terceiro trimestre.

O BCE forneceu aos supervisores estimativas sobre o potencial aumento de empréstimos duvidosos em cada país, mas reguladores nacionais ainda querem informações mais detalhadas sobre os níveis de capital e provisionamento de cada banco, disseram as pessoas.

O BCE também pediu aos bancos que adiassem o pagamento de dividendos até pelo menos outubro. A primeira rodada de alívio em março incluiu o adiamento do prazo para que bancos resolvessem certas deficiências em seis meses.

©2020 Bloomberg L.P.

Economia