ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Pela 1ª vez, Facebook divulga seus 7 princípios de privacidade

29/01/2018 12h57

Madri, 29 jan (EFE).- O Facebook publicou, pela primeira vez, a lista com os seus sete princípios de privacidade, que incluem a administração do usuário dos próprios dados, a ajuda para entender o que é feito deles e a melhoria constante da empresa nesse sentido.

"Reconhecemos que as pessoas usam o Facebook para se conectar, mas nem todas querem compartilhar tudo com todos - incluindo conosco. É importante que você tenha escolhas quando se trata de como os seus dados são usados", disse, em nota divulgada nesta segunda-feira, Erin Egan, diretora de Privacidade dessa rede social.

A lista possui os seguintes tópicos:

- Damos o controle de sua privacidade

- Ajudamos as pessoas a entender como seus dados são usados

- Nós projetamos a privacidade em nossos produtos desde o início

- Trabalhamos constantemente para manter suas informações seguras

- Você possui e pode excluir as suas informações

- A melhoria é constante

- Somos responsáveis

A lista foi divulgada no marco do Dia Internacional de Proteção de Dados Pessoais celebrado ontem.

Além destes princípios, o Facebook informou a criação de uma nova campanha de educação para ajudar a compreender como os dados são usados pela plataforma e como cada um pode administrar as próprias informações.

A partir de hoje também serão introduzidos vídeos educativos no feed de notícias para informar de temas de privacidade, e este ano será apresentado um Centro de Privacidade com configurações básicas de privacidade em um único lugar.

"Estamos desenvolvendo isso com base nos comentários de pessoas, legisladores e especialistas em privacidade de todo o mundo", afirmou ela.

Ao longo de 2018, serão organizadas oficinas, inicialmente na Europa, que já começaram a acontecer em Bruxelas (Bélgica), sobre proteção de dados para pequenas e médias empresas, com foco no novo Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados da União Europeia (UE), de cumprimento obrigatório a partir de maio em todos os Estados-membros.

Mais Economia