ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Macri defende veto à lei contra "tarifaço" e chama oposição de mentirosa

31/05/2018 17h34

Buenos Aires, 31 mai (EFE).- O presidente da Argentina, Mauricio Macri, defendeu nesta quinta-feira sua decisão de vetar a lei contra o "tarifaço" nos serviços públicos aprovada nesta madrugada pelo Congresso e acusou a oposição de mentir e ser irresponsável.

"Foi improcedente (a aprovação da lei). Se houvesse uma solução alternativa, o primeiro a tê-la aplicado teria sido eu. Não existe uma solução alternativa a que cada um pague o que consome", disse Macri em entrevista coletiva na província de Salta.

O presidente argentino vetou hoje uma lei impulsionada pela oposição, principalmente pelo peronismo, para diminuir as tarifas dos serviços públicos de gás, eletricidade e água até os valores de novembro do ano passado sob o argumento de que os usuários não podem arcar com os fortes aumentos fixados pelo Executivo.

Macri argumentou que "não é faculdade do Congresso dizer quais são as tarifas" e que a norma aprovada "irresponsavelmente" não estabelece as fontes de financiamento para resolver os subsídios ao consumo de serviços que o Estado deveria seguir pagando no caso de a lei entrar em vigência.

Nesse sentido, detalhou que esses recursos chegariam a 110 bilhões de pesos (US$ 4,33 bilhões), número que, segundo advertiu Macri, sem uma alternativa de financiamento, obrigaria o Estado a "suspender" o pagamento de ajudas sociais e parte das aposentadorias e a execução de obras públicas.

"Não se pode mentir ao povo. Eu sou o primeiro que, se pudesse não aumentar as tarifas, não as aumentaria", destacou o presidente que, por um lado, reforçou a necessidade de reduzir o gasto público para diminuir o déficit fiscal e, por outra parte, a urgência de um consumo responsável de energia para "poder crescer".

Por sua parte, a oposição não demorou em repudiar o veto presidencial e tachou a decisão de antidemocrática.

"É a expressão mais acabada de um governo soberbo, autocrático, antipopular, irresponsável e insensível", publicou na sua conta no Twitter o kirchnerista Agustín Rossi, presidente do bloco de deputados do partido Frente para a Vitória.

Por sua parte, o ex-titular do peronista Partido Justicialista, José Luis Gioja, considerou que Macri "caminha à beira da antidemocaracia" e ressaltou que o governo está "mais preocupado com o lucro das empresas dos seus amigos que pelo que sofre o povo".

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia