Topo

Cubanos já podem abrir contas do Twitter com seu número telefônico local

23/11/2018 00h58

Havana, 22 nov (EFE).- Os cubanos já podem registrar novas contas no Twitter sem necessidade de um número de telefone estrangeiro, uma opção até agora vetada, informaram nesta quinta-feira meios de comunicação estatais do país caribenho, cujo presidente abriu há pouco uma conta nesta rede social.

"(O Twitter) finalmente acrescentou o código de Cuba (+53) nas opções para o registro", afirmou o jornal estatal "Juventud Rebelde", enquanto a empresa de microblogging com sede em San Francisco, nos Estados Unidos, não publicou nenhuma informação oficial a respeito por enquanto.

A rede social obriga seus novos usuários em Cuba a verificar as contas por meio de uma mensagem de texto, mas até esta quarta-feira não oferecia a possibilidade de escolher o prefixo +53, razão pela qual os cubanos tinham que recorrer a familiares ou conhecidos no exterior para fazer o registro.

Não se sabe se esta restrição é ou não produto do embargo que os EUA impõem à ilha há seis décadas e que dificulta certas transações financeiras e alguns registros online.

Em todo caso, agora existe a possibilidade de introduzir o código telefônico cubano, o que permitiu o registro de novos usuários da ilha, segundo o "Juventud Rebelde", e alguns deles dedicaram suas primeiras mensagens a celebrar a inesperada abertura da rede.

Esta aberta aconteceu precisamente na semana na qual o presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, completa um mês como usuário do Twitter.

O primeiro líder cubano com presença em redes sociais já acumula mais de 46.000 seguidores e publicou 186 tweets, a maioria textos com alegações patrióticas e mensagens de apoio às políticas do seu governo e de seus aliados na Venezuela, Bolívia e Nicarágua.

O governo de Cuba, um país onde ainda não há serviço operacional de internet móvel e o wi-fi está muito limitado, manifestou reiteradamente nos últimos anos sua intenção de atualizar sua conectividade e aproveitar as ferramentas oferecidas pelas redes sociais.

Mais Economia