IPCA
0.75 Mar.2019
Topo

General Motors anuncia fechamento de 7 fábricas em todo o mundo

2018-11-26T15:46:00

26/11/2018 15h46

Washington, 26 nov (EFE).- A General Motors anunciou nesta segunda-feira o fechamento de sete fábricas em todo mundo, uma medida que faz parte de um plano de reestruturação da empresa.

Em comunicado, a montadora informou que fechará duas unidades de montagem de veículos nos Estados Unidos e uma no Canadá. Além disso, duas fábricas de motores no território americano terão suas atividades interrompidas, afetando 14,5 mil funcionários no total.

Outras duas plantas de montagem de veículos serão fechadas em países não identificados pela empresa no comunicado.

A GM não revelou quantos trabalhadores perderão seus empregos por causa das mudanças, mas destacou que está tomando ações para reduzir em 15% seu quadro de funcionários.

O número inclui, segundo a empresa, 25% de executivos, uma medida tomada para "agilizar a tomada de decisões" dentro da GM.

A montadora explicou que as medidas fazem parte de um plano de transformação para o futuro e de reorganização global para alinhar a capacidade de fabricação de novos automóveis da empresa.

Segundo a GM, o fechamento das sete fábricas permitirá uma economia de US$ 6 bilhões.

Além das unidades anunciadas hoje, a GM disse que fechará até o fim de 2019 mais outras duas fábricas situadas fora da América do Norte. A empresa não deu detalhes de quais elas seriam.

Recentemente, a GM já tinha anunciado o encerramento das atividades da unidade de montagem de Gunsan, na Coreia do Sul.

"As ações que estamos tomando hoje continuam nossa transformação para sermos mais ágeis, resilientes e rentáveis, o que, por sua vez, nos dará a flexibilidade necessária para investir no futuro", afirmou a presidente e diretora-executiva da GM, Mary Barra.

"Reconhecemos a necessidade de nos manter na frente das condições em transformação do mercado e das preferências dos consumidores para que nossa companhia esteja em posição de conseguir sucesso a longo prazo", disse a executiva no comunicado.

Mais Economia