ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Indústria manufatureira chinesa registra 3º mês de queda de crescimento

30/11/2018 05h54

Pequim, 30 nov (EFE).- A indústria manufatureira chinesa registrou seu terceiro mês seguido de arrefecimento de crescimento, com o índice gerente de compras (PMI) em 50 pontos, dois décimos a menos que em outubro e justamente no limite da contração, informou nesta sexta-feira o Escritório Nacional de Estatísticas (ONE).

O dado mostra que a indústria chinesa continua em um caminho descendente. Um número acima do patamar de 50 pontos representa crescimento e um abaixo, contração.

O crescimento da manufatura chinesa se estagnou em novembro, o que representa seu pior desempenho desde a contração registrada em julho de 2016, mês no qual o PMI caiu para 49,9 pontos.

A indústria manufatureira chinesa registrou seu máximo crescimento da última meia década no último mês de maio, quando o indicador alcançou 51,9 pontos.

Em outubro, o subíndice de produção caiu de 52 a 51,9, enquanto o de novos pedidos se reduziu de 50,8 a 50,4 em novembro.

O estatístico-chefe do ONE, Zhao Qinghe, atribuiu o esfriamento a fatores como a redução do preço das matérias-primas e ao mau momento do comércio internacional, com os índices de exportações e importações ainda em números negativos.

"Isto indica que as pressões em baixa sobre as importações e exportações em curto prazo cresceram devido ao arrefecimento da recuperação do crescimento econômico mundial e ao aumento das incertezas sobre os atritos comerciais", destacou Zhao.

No entanto, o ONE destacou que os negócios não relacionados com a manufatura tiveram um bom desempenho em novembro, situando seu índice em 53,4, o que representa "uma redução de 0,5 pontos desde o mês anterior, indicação de que o crescimento não manufatureiro se desacelera, mas ainda continua".

Por sua parte, o setor serviços, que representa mais da metade do PIB do país, se situou em 52,4 pontos, recuperando-se de sua queda de outubro com um avanço de 0,3 pontos.

A empresa de consultoria britânica Capital Economics apontou que a queda do PMI reflete que "o crescimento segue sob pressão, com sinais de que o recente aumento na construção está perdendo gás, já que os governos locais estão cortando a despesa".

Segundo o analista da empresa de consultoria, Julian Evans-Pritchard, "provavelmente seja mais culpa de uma demanda doméstica mais frágil que das tensões comerciais".

De fato, em relação com o futuro, acredita que "é provável que o crescimento se desacelere ainda mais nos próximos meses, inclusive se a reunião entre (os presidentes dos Estados Unidos e da China) Trump e Xi terminar com um cessar-fogo comercial que evite uma maior expansão das tarifas".

Mais Economia