ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

México quer acordo com EUA sobre tarifas antes de 2019

30/11/2018 16h10

Buenos Aires, 30 nov (EFE).- O chefe negociador comercial do novo governo do México, Jesús Seade, disse nesta sexta-feira que espera conseguir um acordo com os Estados Unidos sobre a possibilidade de revogar as tarifas sobre ao aço e alumínio mexicanos, mas o representante de Washington evitou se comprometer com esse prazo.

"Eu considero muito urgente, e colocaria um propósito firme de que não vire o ano, para ter uma ideia. O mesmo são duas semanas, seis semanas, mas eu colocaria como um propósito firme que seja este ano", afirmou Seade em uma breve entrevista em Buenos Aires.

O negociador do presidente mexicano eleito, Andrés Manuel López Obrador, esteve presente no ato da assinatura do renovado acordo comercial com EUA e Canadá, conhecido como T-MEC, um dia antes de o novo líder assumir o poder no México.

Seade não esclareceu se López Obrador e sua equipe conversarão sobre o tema com a delegação americana que estará amanhã na posse do presidente eleito, e que será liderada pelo vice-presidente americano, Mike Pence.

"Não sei se amanhã será discutido, não coordenamos, estou expressando minha opinião, minha visão de como é preciso conduzir isso", concluiu.

O chefe negociador acrescentou que "não foi a melhor das ideias ter imposto tarifas que atacam uma série de setores", em aparente referência às taxas que o México anunciou em junho a uma ampla variedade de mercadorias procedentes dos EUA, como represália pelas medidas de Washington.

O governo de Enrique Peña Nieto suspendeu então o tratamento tarifário preferencial não só a produtos de aço, mas também a outras mercadorias como maçãs, batatas, mirtilos, carne de porco e uísque Bourbon.

"A primeira coisa que o México tem que fazer é sorrir, apertar a mão dos EUA e dizer: temos que trabalhar juntos", opinou Seade.

No entanto, o representante de comércio Exterior dos EUA, Robert Lighthizer, não quis se comprometer hoje a conseguir um acordo com o México antes do fim do ano.

"É difícil colocar um prazo fixo", disse Lighthizer ao ser perguntado a respeito durante uma entrevista coletiva.

"O que o presidente me pediu para fazer é encontrar uma solução que seja satisfatória para os canadenses e os mexicanos, com acordos separadamente, mas também para a indústria e os consumidores americanos", explicou.

Lighthizer disse que "na próxima semana" continuarão as conversas com a equipe de López Obrador sobre como resolver o problema das tarifas, mas advertiu que qualquer acordo tem que manter "a integridade do programa de aço e alumínio" impulsionado por Trump baseado em encargos em nível global.

"Esse programa foi muito bem-sucedido para a indústria americana do aço e do alumínio. Há novas fábricas, expansões de outras fábricas. Não queremos fazer nada que possa frustrar isso", afirmou o negociador dos EUA.

Lightthizer também defendeu a decisão de Washington de não suspender por enquanto as tarifas ao México e ao Canadá, apesar de esses países terem pedido que isso acontecesse antes da assinatura do T-MEC, que substitui o Tratado de Livre-Comércio da América do Norte (Nafta).

"É algo que não iria acontecer enquanto negociávamos este acordo porque é complicado demais, mas agora estamos devolvendo nossas atenções" ao tema das tarifas.

Mais Economia