PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Dow Jones fecha praticamente estável

06/02/2019 20h37

Nova York, 6 fev (EFE).- O índice Dow Jones Industrial fechou nesta quarta-feira em leve baixa de 0,08% em um pregão no qual os investidores digeriram novos resultados empresariais e o discurso sobre o estado da união feito ontem à noite pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

O principal indicador da Bolsa de Nova York perdeu 21,22 pontos e agora acumula 25.390,30. O índice S&P 500 recuou 0,22%, para 2.731,61, e o índice composto da Nasdaq caiu 0,36% e fechou aos 7.375,28 pontos.

Grandes companhias como General Motors, Walt Disney e Snap divulgaram hoje contas melhores do que o esperado por analistas, mas outras como Eli Lilly e Cummins decepcionaram os investidores.

O mercado também analisou os efeitos do discurso feito ontem por Trump, no qual abordou assuntos positivos como a necessidade de investimento na rede de infraestruturas do país e a regulação dos preços da indústria farmacêutica.

O presidente americano mostrou-se mais flexível em sua política migratória, e embora tenha insistido sobre a necessidade de construir um muro na fronteira com o México para impedir a imigração ilegal, não ameaçou declarar estado de emergência nacional para conseguir a verba necessária de forma unilateral, sem aval do Congresso, como se temia.

Trump falou ainda sobre uma melhora nas relações entre EUA e China, que tentam chegar a um acordo comercial, mas disse que o pacto deverá incluir "mudanças reais e estruturais para acabar com as práticas de comércio injusto".

No Dow Jones, as principais altas do dia foram dos papéis de United Health Group (1,20%), American Express (1,02%), 3M (0,72%), International Business Machines (0,57%) e Pfizer (0,52%).

As quedas mais acentuadas foram das ações de DowDuPont (-1,94%), Caterpillar (-1,11%), Walt Disney (-1,11%), Microsoft (-1,11%) e Home Depot (-0,90%).

No horário de fechamento da bolsa, a onça do ouro caía para US$ 1.310,70, e a rentabilidade dos títulos do tesouro americano com vencimento em dez anos diminuía para 2,702%. EFE