PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Em evento especial, Apple apresenta novo serviço de notícias

25/03/2019 15h23

Cupertino (EUA), 25 mar (EFE).- A Apple apresentou nesta segunda-feira um novo serviço de notícias, batizado como Apple News+, que tem como principal novidade a inclusão de revistas.

Em um evento especial focado no lançamento de novos serviços para os usuários dos dispositivos da companhia, o executivo-chefe da Apple, Tim Cook, revelou as novidades e a inclusão de artigos de revistas no serviço, não disponíveis na atual versão do Apple News.

O News+ permitirá que os usuários tenham acesso a matérias de 300 revistas diferentes, entre elas "National Geographic", "Time", "Vogue", "People", "Popular Science", "Billboard", "The New Yorker", "Sports Illustrated", "Fortune", "TechCrunch" e "New York Magazine".

Além das revistas, os assinantes do serviço também terão acesso a dois dos principais jornais dos EUA, o "The Wall Street Journal" e o "Los Angeles Times". No entanto, o "The New York Times" e o "The Washington Post" estão inicialmente fora do Apple News+.

Um dos elementos destacados por Cook na apresentação foi a preocupação da Apple quanto à privacidade dos internautas. O executivo-chefe garantiu que a empresa não saberá e não permitirá que anunciantes acompanhem os hábitos de leitura dos usuários.

A opção da Apple é uma crítica velada a Facebook e Google, dois de seus principais concorrentes, muito criticados nos últimos meses pela gestão dos dados dos usuários e por vazamentos.

Para poder recomendar artigos adaptados ao gosto de cada leitor sem fazer uma análise desses dados, a Apple explicou que as recomendações são feitas a partir de um sistema integrado no dispositivo que acessa o Apple News+.

O serviço de notícias da Apple estará disponível nesta segunda-feira, em inglês e em francês, nos Estados Unidos e no Canadá. O preço cobrado pela empresa é de US$ 9,99, mas uma única assinatura poderá ser usada por vários membros de uma mesma família.

Não há, por enquanto, previsão para o lançamento no Brasil. EFE