PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

Wall Street fecha com resultados mistos; Nasdaq se mantém acima de recorde

27/12/2019 18h58

Nova York, 27 dez (EFE).- Com poucas oscilações no final do pregão, Wall Street fechou esta sexta-feira com resultados mistos nos três principais indicadores, com destaque para o Nasdaq Composite, que se manteve acima do recorde de 9 mil pontos, sintoma de que este é o melhor da bolsa para as grandes empresas de tecnologia dos Estados Unidos.

O Dow Jones Industrial subiu 0,08%, para 28.645,26 pontos, e o seletivo S&P 500 se manteve estável, aos 3.240,02. Já o Nasdaq Composite recuou 0,17% e fechou aos 9.006,62 um dia após ultrapassar a marca de 9 mil pela primeira vez na história.

As empresas de tecnologia estão prestes a fechar 2019 como o melhor ano em termos de bolsa, com o principal indicador, o Nasdaq, em máximos históricos impulsionados principalmente por Apple e Microsoft.

Em um ano marcado pela tensão comercial com a China, dezembro foi um bálsamo após o anúncio da assinatura do acordo comercial de primeira fase com os EUA, o que deu espaço para empresas como a Apple, que foi atingida pela guerra tarifária com um rótulo de vulnerabilidade que normalmente não é bem recebido nos mercados.

A Apple monta o iPhone na China e, diante do perigo de a guerra comercial ser um problema para a tecnologia, o diretor executivo da empresa, Tim Cook, deixou de apoiar a democrata Hillary Clinton em 2016 e de criticar os republicanos sobre imigração e mudanças climáticas para ter conversas regulares com o presidente Donald Trump, que agora o considera um "amigo".

Entre as 30 empresas cotadas no Dow Jones, as maiores altas foram de Nike (0,74%), McDonald's (0,55%), Procter & Gamble (0,54%), Coca-Cola (0,46%), Travelers (0,40%), 3M (0,34%) e IBM (0,25%). Já as baixas foram lideradas por Dow Inc. (-0,74%), Home Depot (-0,34%), United Technologies (-0,28%) e Cisco (-0,22%).

No horário de fechamento da bolsa, a onça do ouro subia para US$ 1.515,30, e o rendimento dos treasuries com vencimento em 10 anos caía para 1,875%. EFE