PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

Argentina pagará US$ 430 milhões de sua dívida com Clube de Paris

23/06/2021 04h39

Buenos Aires, 22 jun (EFE).- A Argentina anunciou nesta terça-feira que vai pagar US$ 430 milhões ao Clube de Paris para saldar parte de sua dívida com o fórum de 22 países credores.

O ministro da Economia argentino, Martín Guzmán, disse em entrevista coletiva que, graças a um acordo com o Clube de Paris, esse montante será pago em parcelas até 31 de março de 2022.

A Argentina deveria terminar a quitação de sua dívida com o Clube de Paris, de US$ 2,4 bilhões, em 31 de maio, mas não fez o pagamento e aproveitou o período de carência de 60 dias posterior a essa data para regularizar seus compromissos e evitar ser declarada em moratória.

Guzmán enfatizou que a "ponte de tempo" concedida pelo Clube de Paris evitará que a Argentina tenha que enfrentar um "default" em 30 de julho, quando o período de carência terminaria.

Segundo o ministro, pagar os US$ 2,4 bilhões em maio teria sido um "golpe" para as reservas internacionais e teria gerado "mais instabilidade" na taxa de câmbio e na situação macroeconômica.

NEGOCIAÇÕES "CONSTRUTIVAS".

A dívida com o Clube de Paris remonta a um acordo de financiamento assinado em 2014. Os principais credores da Argentina nesse grupo são Alemanha, Japão, Holanda, Espanha e Itália.

Guzmán destacou que as negociações com o grupo foram "construtivas" e que os US$ 430 milhões serão pagos dentro da "ponte de tempo" concedida pelo fórum.

Ele também explicou que é provável que a primeira parcela seja paga em 31 de julho e que a segunda seja acertada no próximo ano.

CONVERSA COM O FMI.

O entendimento com o Clube de Paris também inclui um compromisso da Argentina de fazer os "esforços" necessários para chegar a um acordo para refinanciar sua dívida de US$ 46 bilhões com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

"Continuaremos a trabalhar de forma construtiva com o FMI. Este horizonte de tempo com o Clube de Paris nos dá maior certeza. A data de 31 de março de 2022 não significa de forma alguma que seja uma data que tenha a ver com um acordo de metas com o FMI. Nosso objetivo é ter um bom acordo. Quanto mais cedo, melhor, mas a prioridade é que seja bom", afirmou.

Ainda de acordo com Guzmán, assim que for assinado um novo programa financeiro com o FMI, as conversas com o Clube de Paris serão retomadas para definir uma reestruturação do saldo da dívida pendente com o fórum.