Bolsas

Câmbio

Reforma trabalhista

Conselho pode recomendar alteração de texto da reforma trabalhista

Murilo Rodrigues Alves e Fernando Nakagawa

Brasília

O governo lança hoje um órgão que poderá propor ao presidente Michel Temer que vete alguns pontos da reforma trabalhista, caso o projeto seja aprovado no Senado. Criado há mais de 20 anos pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso, o Conselho Nacional do Trabalho vai ser instituído oficialmente com 30 membros, sendo dez representantes do governo, dez dos trabalhadores e dez dos patrões.

Segundo o Ministério do Trabalho, o colegiado poderá recomendar alterações na septuagenária Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT). O ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, disse que o conselho poderá analisar o projeto da reforma trabalhista e propor modificações no texto, mesmo depois do aval dos senadores - o texto já foi aprovado pela Câmara.

"O governo como um todo vai avaliar o texto que for aprovado para ver a viabilidade de aceitar as sugestões dos senadores e outras modificações", afirmou Nogueira ao jornal "O Estado de S. Paulo".

"O governo verá se poderá atender ou não aquilo que o Congresso propuser." Sobre o atraso em uma semana na tramitação do texto na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, Nogueira disse que os parlamentares têm deliberado o projeto de "modernização" de legislação trabalhista em seu "devido tempo e maturidade".

Segundo ele, as reformas serão aprovadas porque há consciência de todos - trabalhadores, empregadores e classe política - de que o país precisa modernizar sua legislação para introduzir sua economia no cenário global, gerar empregos e combater a desigualdade social.

Imposto sindical

O Conselho Nacional do Trabalho ainda deverá tratar da questão do fim da obrigatoriedade do imposto sindical, um dos pontos da reforma. O ministro já se posicionou contrário ao fim do desconto obrigatório de um dia de trabalho para os sindicatos, mas afirmou que o governo não entrará nessa questão e que há outras formas de os sindicatos se financiarem. Políticas de fomento à geração de empregos também devem ser discutidas pelo conselho.

Segundo Nogueira, o número de 14 milhões de desempregados no País não é fruto do último ano de governo, mas de gestões anteriores. Ele destacou a criação de vagas nos meses de fevereiro e abril. E garantiu que, "daqui para frente", o Brasil vai atingir números menores de desemprego. "A geração de empregos será consequência das medidas que o governo tem tomado", afirmou, destacando a retomada da confiança no País e a agenda de reformas do Executivo. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos