Bolsas

Câmbio

Espero ver alta nas taxas de longo prazo conforme balanço diminui, diz Yellen

Victor Rezende

São Paulo

Em depoimento ao Comitê Bancário do Senado dos Estados Unidos, a presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Janet Yellen, comentou que espera ver um aumento nas taxas de longo prazo à medida que a carteira de ativos da instituição diminui e ressaltou que a taxa dos Fed funds continuará a ser a principal ferramenta de política monetária do BC. Segundo Yellen, os dirigentes do Fed não têm uma meta para o tamanho final do balanço patrimonial, cujo processo de redução é previsto para ter início ainda em 2017, de acordo com o Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês), ao adotar um caminho lento, gradual e previsível.

Logo no início de sua fala no Senado, Yellen destacou que é importante seguir com reformas financeiras nos EUA. No mês passado, a Câmara dos Representantes aprovou uma medida que reformula o sistema financeiro americano, desmantelando boa parte da lei Dodd-Frank. No entanto, a dirigente ressaltou que a adoção de "algumas" recomendações do governo de Donald Trump aumentariam as chances de uma crise financeira, com a presidente do Fed dizendo que "nunca podemos estar confiantes de que não haverá uma outra crise financeira", apesar de ter dito, semanas atrás, que não esperava ver outras crise "em nossas vidas".

Segundo Yellen, a política fiscal em curso nos EUA é "insustentável" e o nível de incerteza quanto às medidas fiscais planejadas pelo governo Trump está "muito alto neste momento". Para ela, um crescimento de 3% do Produto Interno Bruto (PIB) americano seria algo "maravilhoso", apesar de "desafiador". Desde que assumiu a Casa Branca, o presidente Donald Trump sustenta que pode conseguir um crescimento sustentável de 3% nos EUA caso suas medidas de reforma tributária, reforma no sistema de saúde e investimentos em infraestrutura forem implementadas.

"3% de crescimento do PIB nos próximos dois anos seria algo bastante difícil", comentou a presidente do Fed, apesar de ter ressaltado que há um "nível razoável de confiança" de que a expansão econômica americana irá continuar. Para ela, o potencial de crescimento da economia americana é "muito baixo, menor que 2% no longo prazo". Em relação à reforma tributária, Yellen apontou que ela pode ajudar a produtividade caso seja projetada adequadamente. "Há um entendimento geral de que existem distorções no código tributário para empresas e, portanto, há oportunidades de melhoras", disse.

Yellen também foi questionada sobre a atual situação da inflação nos EUA. Para ela, a economia global não é a principal responsável pelo baixa alta de preços, e os preços importantes estão subindo a um ritmo "moderado". A dirigente comentou, ainda, que "estamos assistindo à inflação com bastante cuidado" e que "não estamos vendo uma pressão substancial nos salários". Ela ressaltou que o Fomc continua com prudência para permanecer no caminho gradual de alta de juros nos EUA e que, se a avaliação sobre a inflação mudar, isso fará diferença.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos